Login  Recuperar
Password
  16 de Dezembro de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas / Sociedade, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Nossa Senhora do Pópulo

13-08-2008 |

Nossa Senhora do Pópulo
Nossa Senhora do Pópulo
500 anos da elevação da Capela a Igreja Matriz Os 500 anos da elevação da Capela de Nossa Senhora do Pópulo do Hospital Termal das Caldas da Rainha a Igreja Matriz, monumento nacional e um dos mais significativos elementos patrimoniais do município, vão ser assinalados no dia 15 de Agosto. Planeada pelo Mestre Mateus Fernandes, um dos arquitectos das Capelas Imperfeitas do Mosteiro da Batalha, a Igreja de Nossa Senhora do Pópulo foi concluída em 1500 e a torre sineira – uma das mais belas de Portugal - em 1505. Há 500 anos a capela passava a Igreja Matriz/Paroquial, implicando a existência de pia baptismal. Inicialmente construída como capela privativa do Hospital Termal, tinha como função "o acompanhamento espiritual dos doentes". "Logo no dia em que os doentes eram recebidos, um dos primeiros passos era irem à Igreja fazer a confissão e comunhão, para depois iniciarem o tratamento", refere Tânia Jorge, técnica superior do Museu do Hospital e das Caldas, entidade que gere o espaço, indicando que no tempo da rainha D. Leonor haveria ligação directa entre o Hospital e a Igreja. O rápido crescimento da povoação fez dela a Igreja Matriz das Caldas da Rainha até ao século XX. Hoje, não sendo a Igreja Matriz, mantém o seu ascendente religioso. São muitos os que fazem questão de casar ou realizar outras cerimónias religiosas nesta igreja, pela sua beleza e carga histórica, intimamente entrelaçada com a própria história da cidade. Este ano concretizou-se a recuperação do relógio da torre da Igreja, após anos parado. Um órgão de tubos, encomendado em 1825, está actualmente a ser alvo de uma campanha de angariação de fundos, tendo em vista a sua recuperação. A Igreja é património nacional desde 1910. Neste edifício conjugam-se elementos do tardo–gótico europeu com outros de características mais locais (mudéjares e manuelinos). Possui o revestimento interior em azulejos seiscentistas, mantendo da construção primitiva painéis azulejares hispano-árabes nos altares laterais. Localizado sobre o arco triunfal, o tríptico da paixão tem motivado o interesse de investigadores, quanto à sua autoria e localização original. Realce ainda para os altares com talha dourada, o arco triunfal, a cobertura abobadada, os bocetes decorados, as pinturas sobre madeira do séc. XVI, a pia baptismal e os azulejos do séc. XVII. Além do papel de enorme relevância espiritual e social que desempenhou, a Igreja permanece como um dos melhores exemplos da arquitectura da época e local obrigatório de visita de todos os que passam por Caldas da Rainha. Para assinalar a data, a Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Centro Hospitalar das Caldas da Rainha, Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Pópulo e Paróquia de Nossa Senhora do Pópulo prepararam o seguinte programa: 11h00 - Missa solene na Igreja de Nossa Senhora do Pópulo; 15h00 - Desfile de Fanfarras pela cidade; 16h00 – Concerto no Parque D. Carlos I pela Banda Filarmónica de Alvorninha; 22h00 – Concerto na Igreja de Nossa Senhora do Pópulo pelo Trio de Pedro Caldeira Cabral "Labirinto da Guitarra". Francisco Gomes
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar