Login  Recuperar
Password
  11 de Agosto de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Regional
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Insetos comestíveis são “comida do futuro”

Antecipando-se ao que considera ser a “comida do futuro”, uma docente do curso de restauração e catering da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (ESTM), em Peniche, desenvolveu algumas receitas, em que os insetos são o principal ingrediente. “Os insetos têm elevados níveis de proteína, gorduras insaturadas e minerais, podendo ser utilizados no combate à obesidade. A sua produção é muito mais económica em comparação com o gado”, descreve Patrícia Borges, que aponta que a FAO (organização mundial para a alimentação e agricultura) incentiva o consumo destas espécies, ao ter lançado um documento com o título ”Insetos comestíveis: perspetivas futuras para a segurança alimentar”, onde “apresenta as vantagens do consumo destes seres perante as estimativas que preveem que em 2050 a produção animal não será suficiente para alimentar a população”.

03-12-2013 | Francisco Gomes

Patrícia Borges elaborou pratos na ESTM de Peniche (foto Carlos Barroso)
[+] Fotos
Patrícia Borges elaborou pratos na ESTM de Peniche (foto Carlos Barroso)
Na ESTM foi desenvolvido um projeto que culminou com um workshop e uma apresentação a mais de três centenas de alunos do ensino secundário da região, que puderam provar as experiências realizadas até agora sobre esta temática.
Foram apresentadas bolachas de tenébrios (minhocas), gafanhotos e grilos com chocolate temperado com pimenta e zophobas (minhocas) fritas picantes.
“Os resultados foram surpreendentes, entre o ar espantado e a curiosidade manifestada. Este conceito veio para ficar, apesar de existirem muitas pessoas que nem gostam de ouvir do assunto”, disse Patrícia Borges, que acredita que se abrirá um leque de oportunidades e de novos mercados para o setor da produção, transformação e restauração. Contudo, reconhece, “para além de faltar legislação em Portugal que classifique os insetos como alimento, primeiro é preciso convencer as pessoas das vantagens deste tipo de comida”.
Patrícia Borges elaborou já suas próprias receitas: Zophobas com chutney de manga, tempura de grilos e gafanhotos com molho de soja (entrada), cuscus salteados com pimento verde e encarnado, courgette, gengibre, molho de soja e gafanhotos salteados em azeite e alho (prato principal), bolachas de manteiga com tenebrios e bolo com zophobas (sobremesas).

Francisco Gomes
Tags: Peniche
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar