Login  Recuperar
Password
  14 de Julho de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas / Cultura
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Vigília nas Caldas da Rainha pela cultura

Caldas da Rainha foi palco na passada quinta-feira de uma das vigílias promovidas pelo país por um grupo informal de profissionais da cultura e das artes. O evento, que decorreu durante dez horas, pretendeu dar visibilidade à luta travada para a criação de uma política cultural ajustada às necessidades do setor.

24-05-2020 | Francisco Gomes

Esta vigília cumpriu as normas de segurança em vigor
[+] Fotos
Esta vigília cumpriu as normas de segurança em vigor
A aprovação de um fundo de emergência capaz de fazer face aos efeitos causados pela atual situação de pandemia, o reconhecimento das profissões ligadas à cultura e a criação de um estatuto que garanta uma proteção eficaz a quem trabalha neste setor são algumas das reivindicações que estão na base desta vigília, que nas Caldas da Rainha foi realizada junto à Câmara Municipal, onde ao longo do dia 45 intervenientes seguraram em cartazes com a frase “#VigiliaCulturaeArtes - E se tivéssemos ficado sem cultura?”.
“Temos um registo de trabalho super intermitente e se não tivermos a nossa atividade diária não recebemos. Precisamos mesmo do estatuto de trabalhador da cultura e queremos políticas culturais dignas que nos permitam trabalhar”, manifestou a atriz caldense Tânia Leonardo, elemento da organização do evento.
Os profissionais da cultura sustentam que a pandemia Covid-19 agravou a precariedade da sua situação. “Esta situação de calamidade veio tornar carne viva o que estava só em chagas. É bom que as pessoas entendam que os profissionais da cultura neste momento estão sem rendimentos e sem local disponível para poder trabalhar. Estamos a falar de técnicos, músicos, bailarinos, atores, entre outros”, sublinhou, questionando: “Fazemos serviço público. O que é um país sem cultura?”.
Esta vigília cumpriu as normas de segurança em vigor. Para além do distanciamento social, foi usada máscara e os cartazes empunhados eram devidamente higienizados após troca de mãos.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar