Login  Recuperar
Password
  16 de Dezembro de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Regional
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Trabalhadores da Rodoviária fizeram greve contra desigualdade salarial

Os trabalhadores da Rodoviária do Oeste, Tejo e Lis estiveram em greve entre as três da manhã do dia 29 de novembro e as três da manhã de 1 de dezembro, numa decisão tomada pelos trabalhadores em plenário realizado nas Caldas da Rainha, Leiria, Santarém e Alcanena, como forma de reclamar a subida do salário e das compensações pecuniárias.

05-12-2018 |

Uma das preocupações dos serviços mínimos foi o transporte escolar
Uma das preocupações dos serviços mínimos foi o transporte escolar
De acordo com a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), existem “situações discriminatórias” entre trabalhadores, por serem abrangidos por duas convenções de trabalho diferentes.
“Enquanto um motorista da Rodoviária tem um salário de 621 euros, que na prática são 609, porque tem englobado o abono para falhas, um motorista [abrangido pelo contrato coletivo de trabalho] da ANTROP [Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros] tem um salário a rondar os 650 euros”, exemplificou a Fectrans à agência Lusa.
Os trabalhadores reivindicam, por isso, a “unificação das relações laborais”, assim como aumentos do salário e do subsídio de refeição, que é de 2,55 euros, valor que “não dá para comer uma sandes e beber um sumo”.
“O salário mínimo em janeiro ficará nos 600 euros e um motorista tem um salário de 609 euros, ou seja, grande parte destes motoristas fica com um salário nove euros acima do salário mínimo nacional e é inconcebível”, sustentou a Fectrans, apontando a responsabilidade de transportar pessoas durante longas horas.
Segundo a Fectrans, “tivemos adesões praticamente totais nalguns locais de trabalho e os outros variam entre os 80% e 90%”.
“Os trabalhadores manifestaram determinação em defender o direito à greve, já que a administração a pretexto de um despacho de serviços mínimos sem qualquer fundamento e fora do contexto da lei da greve, pretendia limitar esse direito à quase totalidade dos trabalhadores”, declarou a Fectrans.
Lamentando os transtornos causados, a administração das empresas tem, no entanto, outros números: “A adesão à greve, no global das três empresas, foi de 38,3 % dos trabalhadores ao serviço”.
“Visando a revisão do contrato coletivo em vigor, estão atualmente em curso negociações entre a associação que representa o setor dos transportes rodoviários pesados de passageiros (ANTROP) e as estruturas sindicais. A ANTROP apresentou já uma proposta aos sindicatos, a qual aguarda resposta, estando agendada uma nova reunião para o dia 13 de dezembro”, informou a administração.
Acrescentou que “as condições remuneratórias aplicadas pelas empresas são as que decorrem do contrato coletivo em vigor”.
Em comunicado, esclareceu que “respeitando o direito à greve, a definição de serviços mínimos solicitada pelas empresas ao Ministério do Trabalho e da Segurança Social teve exclusivamente em conta a necessidade de defesa dos interesses dos clientes”.
Em plenário realizado em Torres Novas, os trabalhadores das empresas do grupo Barraqueiro, decidiram novas formas de luta, com greve, nos dias 3 e 4 de janeiro.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar