Login  Recuperar
Password
  7 de Agosto de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas / Política
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Requalificação do Centro da Juventude com conclusão atrasada

Os vereadores Luís Patacho e Jaime Neto, do PS, votaram a favor do pedido de prorrogação do prazo de conclusão da empreitada de requalificação do Centro da Juventude, solicitado pelo empreiteiro, mas lamentaram que um edifício que faz parte da história da cidade não tenha merecido um projecto arquitetónico mais ponderado.

22-01-2020 |

Os autarcas admitiram haver “uma justificação técnica plausível” para a prorrogação da obra, pegando na explicação do técnico camarário Ricardo Fonseca, que indicou que “se por um lado o ritmo de execução dos trabalhos contratados tem sido bastante inferior ao necessário para cumprimento dos prazos, por outro, à medida que se aprofunda o conhecimento do edifício, têm surgido incompatibilidades entre o projeto que suporta o contrato e a realidade, o que leva à intervenção do projectista e à necessidade de execução de trabalhos complementares que impossibilitam o cumprimento do plano de trabalhos aprovado”.

Trata-se da segunda obra de reabilitação de um edifício bastante antigo que foi antes o matadouro municipal, da autoria de Rodrigo Berquó (1839-1896), grande impulsionador das termas enquanto administrador do Hospital Termal e também como presidente da Câmara Municipal, autor do projeto de construção dos Pavilhões do Parque.

“Trata-se, por isso, de um edifício de elevado valor arquitetónico, histórico e patrimonial, testemunho de uma época de grandes transformações urbanas qualitativas da então vila das Caldas da Rainha, que contribuíram decisivamente para a sua elevação a cidade em 26 de agosto de 1927”, apontam Luís Patacho e Jaime Neto, que lamentam, por isso, que “não tenha merecido a desejável sensibilidade política para o desenvolvimento de um projecto arquitetónico mais ponderado, atento, cuidado e rigoroso, com uma participação regular de todo o executivo camarário na monitorização do seu processo de elaboração”.

Os vereadores do PS consideram que o conhecimento aprofundado do edifício e da sua singularidade deveria ter sido consolidado na fase de projeto e não durante a fase de construção.

Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar