Login  Recuperar
Password
  17 de Outubro de 2017
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Caldas / Cultura, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Recriação de tradições rurais animou a cidade no feriado de 5 de outubro

O feriado de 5 de outubro nas Caldas da Rainha foi marcado por um grande evento cheio de animação que trouxe à cidade um conjunto de recriações históricas, de vivências de outros tempos. Mais de 150 pessoas de vários grupos de folclore do concelho ilustraram tradições antigas, ligadas à vida e ao trabalho rural. A esta festa nas ruas da cidade juntaram-se mais de 100 bicicletas antigas, naquele que é o 11.º Passeio de Pasteleiras do Campo promovido pela secção de cicloturismo da Associação de Cultura e Recreio do Campo.

10-10-2017 | Marlene Sousa

As lavadeiras lavaram a roupa no lago do parque
[+] Fotos
As lavadeiras lavaram a roupa no lago do parque

O feriado de 5 de outubro foi bem animado nas Caldas da Rainha. Diversas recriações de tradições, vivências, trabalhos e ofícios conduziram-nos numa autêntica “viagem no tempo” pela iniciativa do Projeto Retrato, uma proposta dos grupos de folclore e etnografia do concelho para a animação cultural de cariz tradicional e popular.
O evento, que aconteceu pela primeira vez no ano passado, pretende ser uma realização anual, porque é já uma referência da programação cultural das Caldas que traz centenas de pessoas à cidade.
Decorreram animações de rua itinerante com as antigas coscuvilheiras que falavam da vida alheia. As cenas do dia a dia de trabalho no campo e o ambiente familiar trouxeram à memória das pessoas a vivência no passado.
Foi uma autêntica viagem no tempo, com o objetivo de transmitir esta herança antiga às novas gerações e a quem vem de visita às Caldas da Rainha.
Os grupos folclóricos e etnográficos do concelho animaram e interagiram com o público em vários pontos da cidade ao longo de todo o dia, com especial destaque para o Parque D. Carlos I, o Largo do Hospital Termal, a Praça da Fruta e a Rua das Montras.
Na Rua das Montras foram recriadas cenas de pregões, uma conversa entre duas mulheres à janela do primeiro andar sobre o que estavam a ver, recriação de ambiente de taberna, com cantigas ao desafio, jogos de cartas, fandangos, desentendimentos e desafios (jogo do pau).
Houve uma paragem no Chafariz das Cinco Bicas, onde as lavadeiras lavaram a roupa e ao mesmo tempo cantaram. Não faltaram os mexericos entre as lavadeiras que ensaiaram um pequeno diálogo que animou as pessoas que passavam na rua.
No Céu de Vidro foi inaugurada a exposição de fotografia de Mário Lino intitulada “Etnografia em Flashes”, onde estiveram patentes várias imagens.
No Parque D. Carlos I foi recriada a apanha da azeitona, o varejar das oliveiras, o cenário de lavadeiras junto ao lago e o ambiente de conversas sobre a vida alheia. Decorreu ainda o malhar e escarolar o milho e/ou feijão, recriando o ambiente das eiras, acompanhado de cantigas e danças de trabalho.
“É sobretudo um evento de convívio e o juntar dos ranchos folclóricos em prol da nossa cultura”, disse Dina Carlos, do Rancho Folclórico Os Azeitoneiros” de Alvorninha, que foi uma das lavadeiras. “Os seis ranchos estão juntos para esta iniciativa e estamos trajados desde as 9 da manhã e ainda não se vê uma cara aborrecida”, adiantou.
Sérgio Pereira, um dos grandes dinamizadores do projeto, recordou que o evento surgiu de uma proposta coletiva dos grupos de folclore e etnografia do concelho das Caldas com o objetivo de manter viva a identidade da cultura local. Dado ao sucesso que teve, o responsável quer que faça parte dos eventos anuais e que vá crescendo com mais participações e animações.
O 11º Passeio de Pasteleiras do Campo - promovido pela secção de cicloturismo da Associação de Cultura e Recreio do Campo - complementou o cenário, com quase uma centena de participantes.
Também Vítor Marques, presidente da União das Freguesias de Caldas da Rainha - Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, que apoiou o projeto, destacou as animações que trouxeram centenas de pessoas à cidade e ao parque num feriado.
O projeto “Tradições da Vila” surge de uma proposta dos ranchos folclóricos e etnográficos “As Ceifeiras” da Fanadia, “Os Oleiros” das Caldas da Rainha, “Os Azeitoneiros” de Alvorninha, “Flores da primavera” do Guisado, “Os Amigos” da Associação de Barrantes e “Danças do Arnoia”, de A-dos-Francos. Foi convidado o Grupo de Cantares “Terras de Guidintesta”, de Belver.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar