Login  Recuperar
Password
  27 de Fevereiro de 2021
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Ocorrências
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Quatro homens identificados por apanha de pinhas

Quatro homens, com idades compreendidas entre os 17 e os 48 anos, foram apanhados no dia 13 de novembro com 21 quilos de pinhas de pinheiro-manso, na localidade de Carregal, no concelho de Óbidos, tendo sido detidos pelo Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) de Caldas da Rainha da GNR, com o apoio do posto de Óbidos.

16-11-2020 |

Foram apreendidas três varas com gancho metálico usadas na apanha
Foram apreendidas três varas com gancho metálico usadas na apanha
No seguimento de uma denúncia de que estaria a ocorrer um furto de pinhas num terreno florestal privado, os militares da GNR foram ao local e identificaram os suspeitos.
Desta ação resultou a elaboração de quatro autos de contraordenação por apanha de pinhas fora do período para esse efeito, puníveis com coima até 3500 euros, e na apreensão das pinhas e de três varas com gancho metálico usadas na apanha.
“O pinheiro-manso é uma espécie florestal com um crescente interesse económico, cuja importância do comércio externo de pinha e de pinhão tem contribuído para a promoção de importantes dinâmicas económicas à escala regional, uma vez que o pinhão é valorizado pelas suas caraterísticas nutricionais. No entanto, a colheita de pinhas de pinheiro-manso é proibida entre 1 de abril e 1 de dezembro e, ainda que esteja caída no chão, a sua apanha está interditada por se encontrar em época de defeso, salvaguardando assim o crescimento e desenvolvimento da pinha e do pinhão e evitando a colheita da semente com deficiente faculdade germinativa e mal amadurecida”, explica a GNR.
O processo foi remetido ao Tribunal Judicial de Caldas da Rainha.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar