Login  Recuperar
Password
  19 de Novembro de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Óbidos
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Projeto “Turismo Criativo e Sustentável” abre caminhos para o futuro do Oeste

Ao longo de vinte e oito meses, o projeto “Turismo Criativo e Sustentável - O Futuro do Oeste”, que tinha como enfoque "O empreendedorismo empresarial na área do turismo" envolveu 245 empresas, 21 consultores de diferentes áreas, 108 oradores e 21 mentores. Assentou ainda em sete atividades, entre as quais, o estudo de benchmarking “Biot, Ibiza, Toscana e Região”, que foi divulgado na passada sexta-feira, na sessão de apresentação dos resultados do projeto e que pretende ser uma ferramenta para o ecossistema empreendedor da região, no sentido de quebrar os paradigmas enraizados, trazendo novas soluções para os problemas existentes.

01-11-2018 | Mariana Martinho

A sessão de apresentação dos resultados do projeto “Turismo Criativo e Sustentável - O Futuro do Oeste, decorreu no auditório do Parque Tecnológico de Óbidos
[+] Fotos
A sessão de apresentação dos resultados do projeto “Turismo Criativo e Sustentável - O Futuro do Oeste, decorreu no auditório do Parque Tecnológico de Óbidos

Esta iniciativa, que está a terminar, “foi, é e continuará a ser uma das epígrafes da Óbidos.Com e o mote do projeto que agora termina”, sublinhou o presidente da Óbidos.Com, Associação Empresarial do Oeste, Carlos Martinho.
O projeto foi cofinanciado pelo Centro 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, e tinha como intenção levar a região Oeste a um “posicionamento de destaque”, no que diz respeito ao turismo criativo e sustentável.
Com enfoque no empreendedorismo empresarial na área do turismo, nomeadamente no que concerne à dinamização deste setor, o projeto procurou estimular a criatividade empresarial, a dinamização do setor e a criação de novos produtos, no sentido reforçar a oferta de produtos tradicionais e autênticos, incentivando o desenvolvimento de clusters em zonas históricas e turísticas, posicionando a região como destino criativo com marcas e produtos próprios capazes de atrair turistas, visitantes e cidadãos.
Nesse sentido promoveu a realização de sete atividades como o concurso de ideias, seminários, workshops, Empreend’Oeste, BenchMarking, Oeste Mentoring, desenvolvimento de modelos de negócio e apoio às empresas e o Portal Oeste Criativo e Sustentável, que “acentuaram a distinção entre o empreendedorismo do Oeste anteriormente existente e o que terá lugar a partir de agora”.
“Chegamos agora ao final desta iniciativa”, que segundo o presidente da Óbidos.com, deu “alguns frutos”, como o caso do portal “myoeste.pt”, que visa continuar a ser uma montra do melhor que a região tem para oferecer, principalmente, no que se refere ao turismo.
Igualmente fez com que nove novos empreendedores/empresas na área do turismo disponibilizassem serviços diferenciadores e inovadores relativamente aos já existentes na região, bem como sensibilizou as empresas e empreendedores para a necessidade da criatividade e inovação na área do turismo, enquanto motor do sucesso e do desenvolvimento empresarial no setor turístico na região, e ainda permitiu uma aproximação multidisciplinar ao setor do turismo.
A iniciativa permitiu igualmente a criação de sinergias, tirando partido da diversidade regional, promovendo a identidade territorial, com objetivo de captar turistas e assim contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população da região.
Este projeto, segundo Carlos Martinho, “permitiu dar a volta à situação fragilizada que a Óbidos.com tinha”, criando novas estruturas e novos alicerces. “Mas o facto é que uma equipa reduzida, que vestiu bem a camisola, conseguiu levar a bom porto todo este processo”, esclareceu o responsável.
O projeto também envolveu 108 oradores, nos vários seminários, workshops e outros eventos promovidos, bem como forneceu 1974 horas de consultoria de diferentes áreas, entre elas, gestão, contabilidade, negociação e vendas, marketing e publicidade, design, marketing online aos 873 participantes.
Agora, a Óbidos.Com pretende apostar noutra iniciativa virada mais para a componente técnica, de modo a abranger “o mundo das tecnologias e não só”.
Presente na sessão também esteve o vice-presidente da Câmara Municipal de Óbidos, José Pereira, que recordou que “a associação há dois anos não tinha a mesma identidade que tem hoje”. Destacou que a atual equipa trouxe a Óbidos “novas ofertas e potencialidades, e sobretudo novas ideias de negócios”.

Estudo de benchmarking “Biot, Ibiza, Toscana e Região”

Na sessão foi também apresentado o estudo de benchmarking realizado entre as três regiões europeias que “mais se aproximavam da região oeste”, nomeadamente a vila de Biot, que se insere na região francesa Cote d’ Azur, Ibiza, ilha balnear em Espanha, e ainda a região de Toscana, em Itália.
Com objetivo melhorar o desempenho dos atores da área do turismo criativo e sustentável, dando-lhes soluções que já foram testadas e implementadas em regiões similares, o estudo procurou primeiramente compreender quais os motivos que levaram estas três regiões, que pertencem aos países que no ranking do turismo mundial se encontram entre os dez destinos mais visitados por turistas em 2015, a desenvolver o turismo criativo.
Estas regiões são destinos que apostaram no turismo criativo e implementaram estratégias para o seu desenvolvimento, de modo a combater os efeitos negativos do turismo de massas, através do desenvolvimento de produtos e experiências turísticas mais sustentáveis, reduzir o efeito da sazonalidade e seduzir o turista a revisitar o local.
No caso de Biot apostou na diversificação da oferta turística, convidando o turista a visitar a vila e desenvolver atividades criativas, de modo a fazer as suas próprias criações junto dos artistas. Todas as atividades são divulgadas num site próprio, no qual é possível pedir informações mais detalhadas ou fazer a inscrição.
Já em Toscana, o projeto de turismo criativo assentou na criação de uma marca, em torno do vinho, da pasta italiana, da pintura e das tradições locais. A marca “Valdichiana Living – Vivere como um vero Toscano” oferece um conjunto de atividades na zona de Valdichiana, que são dinamizadas por uma agência de viagens, com o objetivo de abranger outros segmentos de turismo.
Em Ibiza foi criada uma plataforma online, de modo a promover a região e ao mesmo tempo combater o problema da sazonalidade. ”Toda a oferta está disponível no site e as reservas podem ser feitas através da plataforma Ibiza Creative”, referiu a responsável pelo estudo da empresa Consivsocial - Consultoria para a Economia, Catarina Pires.
De acordo com os resultados obtidos, a empresa responsável pelo estudo elaborou uma proposta estratégica de promoção de turismo criativo para a região Oeste, que passa pelo desenvolvimento estratégico de uma nova vertente do turismo, enquanto fator gerador de valor económico e social na região.
Igualmente aponta para a organização da oferta, formar agentes locais e dinamizar a divulgação destas atividades através de uma forte estratégia de marketing digital, utilizando como principais ferramentas o site, as redes sociais e entre outros instrumentos.
Além disso permitiu que “concluíssemos que o turismo criativo é ainda um conceito novo e pouco divulgado, mas acredita-se que este é o caminho para o futuro”, dando resposta a uma nova vaga de turistas, que desejam conhecer gentes e tradições de cada território. São turistas ligados ao conhecimento, com formação superior e com poder de compra, que encontram nestas atividades uma forma de se integrar com a comunidade local.
Pretende ser ainda uma ferramenta para o ecossistema empreendedor da região Oeste, no sentido de quebrar os paradigmas enraizados trazendo novas soluções para os problemas existentes.
Na opinião de Catarina Pires, a “região Oeste tem todas as condições para apresentar e desenvolver uma estratégia semelhante a estas três regiões”. Contudo, afirmou que é preciso “trabalhar em conjunto” à semelhança das três regiões.
O estudo terminou com a edição de um livro, onde são apresentadas as conclusões e algumas recomendações, que “agora podem ser bebidas pelas instituições”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar