Login  Recuperar
Password
  14 de Agosto de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas / Sociedade
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

PATO promove conservação de escaravelho vaca-ruiva

A Associação de Defesa do Paul de Tornada - PATO vai dinamizar nos concelhos das Caldas da Rainha e Óbidos uma campanha de sensibilização focada na conservação da vaca-ruiva, um escaravelho da fauna da região.

29-06-2020 |

Este escaravelho tem um papel fundamental na natureza, pois faz a reciclagem dos nutrientes do solo
Este escaravelho tem um papel fundamental na natureza, pois faz a reciclagem dos nutrientes do solo
A campanha começará nesta quarta-feira, dia 1 de julho, e decorrerá durante todo o verão, enquadrando-se num projeto à escala nacional - Projeto Vacaloura.pt - sendo a PATO a embaixadora local.
Até final de setembro, o Projeto Vacaloura.pt em conjunto com várias organizações embaixadoras, vão andar à procura de vacas-ruivas. É um escaravelho com populações localizadas que pode ser avistado na sua fase adulta apenas entre julho e setembro. Este escaravelho apresenta tons muito escuros, mede entre 3 e 4,5 cm, e tem sido associado principalmente a zonas com azinheiras e carvalhos-cerquinho, sendo facilmente reconhecido pelas suas mandíbulas em forma de pinça.
As vacas-ruivas podem encontrar-se apenas na Península Ibérica, sul de França e norte de África. Em Portugal, esta espécie tem sido observada desde Bragança até à península de Setúbal. Desde o início do projeto Vacaloura.pt foram realizadas pouco mais de 100 observações, muito poucas em comparação com as restantes espécies foco do projeto.
A melhor altura para fazer estas observações e seus registos começa agora. Os escaravelhos, como a vaca-ruiva, que se encontram na fase adulta, estão a sair cá para fora com o objetivo de se reproduzirem e dar origem às futuras gerações.
Quem avistar uma vaca-ruiva, pode tirar uma fotografia e efetuar o registo do seu avistamento em www.vacaloura.pt/participar-avistamento ou entrar em contacto direto com a PATO em http://www.associacao-pato.org.
Desde 2016, o projeto Vacaloura.pt tem unido esforços e incentivado a participação cívica para saber mais sobre os escaravelhos da família Lucanidae de Portugal, focando-se na vaca-loura (Lucanus cervus), o maior escaravelho da nossa fauna e uma espécie protegida, quase em risco de extinção.
Coordenado pela Associação Bioliving, em parceria com a Unidade de Vida Selvagem do Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro, com a Sociedade Portuguesa de Entomologia e com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, este é um projeto de ciência cidadã que visa compilar e organizar informação enviada por cidadãos sobre a distribuição e estado das populações destes escaravelhos em Portugal.
Mais recentemente expandiu a sua rede de embaixadores por todo o país, fortalecendo a ligação entre a comunidade científica e as comunidades locais na geração de conhecimento sobre estes pequenos seres alados tão pouco conhecidos. Tanto a vaca-loura como a vaca-ruiva são organismos decompositores de madeira morta e têm, por isso, um papel fundamental na natureza, pois fazem a reciclagem dos nutrientes do solo, promovendo a regeneração sustentável da floresta.
São ainda utilizados como um símbolo de toda a biodiversidade que depende de madeira morta nas florestas, representando 30% das espécies que vivem nas florestas em todo o mundo. Com a industrialização da floresta, não só estes insetos estão a perder habitat, mas também os ciclos naturais ficam em risco.
Ao saber onde e quantos destes escaravelhos existem, podem-se definir melhores medidas de conservação a ser implementadas, tendo impactos diretos em imensos organismos.
Conservar os lucanídeos é então ajudar a conservar toda a biodiversidade florestal.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar