Login  Recuperar
Password
  6 de Julho de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Memória curta?

Todos estamos emocionados e agradecidos a todo o pessoal das diferentes classes médicas envolvido no tratamento desta pandemia, pondo diariamente a sua vida em risco ou, até, perdendo-a para salvar o próximo.

07-05-2020 | Alberto Campos

As condições de trabalho que esses dedicados profissionais enfrentam em algumas circunstâncias, nomeadamente em outros países, são verdadeiros suicídios. Apesar de conscientes disso eles persistem. Bem hajam!
Algumas religiões falam dos seus santos mas, para mim, estes são, de momento, os meus santos.
Sem melhores palavras que lhes confira a minha gratidão, pergunto, a propósito – passado tudo isto como iremos “arrumar a casa”? Passado tudo isto será que voltaremos a ver o pessoal médico insatisfeito, trabalhando nos hospitais públicos sem as devidas condições, sem equipamentos adequados às necessidades, sem justas remunerações e progressões nas suas carreiras?
Por força das circunstâncias profissionais que o nosso país político lhes tem oferecido sistematicamente, parte desse pessoal médico tem vindo a optar pelos hospitais privados definitivamente ou em tempo pós laboral do SNS, chegando mesmo a emigrar para países que lhe oferecem boas condições de trabalho e remuneratórias, assim como rápida progressão nas carreiras. Ora, tudo isto é muito mau, em último caso, para nós – utentes do SNS.
Ultimamente tenho pensado que uma vez “limpo” o SNS, com a partida dos mais idosos, com o aparecimento de um maior número de descontentes com o SNS, que optam por subscrever seguros de saúde, poderá este ficar muito “aliviado” no futuro e, sobretudo, com utentes mais novos, muitos deles desempregados, em consequência do futuro que se avizinha para a economia nacional, ou utentes verdadeiramente pobres. Em qualquer dos casos incapazes, face às suas debilidades, de exercerem qualquer força reivindicativa sobre o SNS. E os nossos políticos hábeis em esquecer promessas, como nos têm habituado, passando esta pandemia, provavelmente se irão esquecer da necessária construção de novos hospitais públicos, da urgente atualização dos existentes, das remunerações e carreiras do pessoal médico, e de tudo o mais que vier a ser necessário para que os utentes do SNS possam usufruir de bons atos médicos a que têm direito.
Parece-me que, por tudo isto, passada esta pandemia, os políticos serão obrigados a uma reflexão muito séria sobre o futuro que querem para o SNS, para os hospitais privados e, sobretudo, para os utentes. Ou então terei que, mais uma vez, dizer o que sempre tenho pensado e que de facto tem acontecido com os políticos:
-Os políticos têm memória curta!
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar