Login  Recuperar
Password
  24 de Março de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Ocorrências
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Suspeito alega que assassinato de empresário caldense foi “um acidente”

Uma mulher de 34 anos, o seu irmão, de 27, e a ex-namorada deste, de 29, estão a ser julgados no Tribunal de Leiria por suspeitas de terem assassinado um empresário das Caldas da Rainha, de 55 anos, e escondido o cadáver, que veio a ser descoberto enterrado no quintal de uma moradia em Alfeizerão. O crime terá acontecido na noite de 11 de fevereiro de 2015, mas o corpo só foi encontrado quase um ano depois.

12-03-2019 |

O arguido disse na passada segunda-feira que a morte foi “um acidente”, na sequência de uma discussão com a vítima, a quem acusou de ter dado droga à sua irmã, que estava grávida e ia abandonar o empresário José Noronha, que tinha uma destilaria em Vidais.
"Ele empurrou-me, eu empurrei-o e trocámos murros e dei-lhe uma cabeçada. Ele caiu na cama, que tinha o estrado maior que o colchão e terá batido aí. Já não reagiu mais", relatou. A sua companheira na altura, ajudou-o a remover o corpo da vítima, contou.
O corpo foi deixado no porta bagagens do seu carro, na Foz do Arelho. Posteriormente, terá ido buscá-lo, "sozinho", e levou-o para uma casa arrendada em Alfeizerão. "Fiz um buraco no quintal e coloquei-o lá", adiantou, revelando que disse às outras duas arguidas que tinha mandado o corpo para o mar na Figueira da Foz.
No seu depoimento, a companheira da vítima também afirmou tratar-se de um "acidente", garantindo que "não foi nada planeado". A arguida referiu não se lembrar e ter “flashes" do que sucedeu, porque estava sob o efeito de produto estupefaciente.
Segundo a agência Lusa, a mulher admitiu ainda ter falsificado a assinatura da vítima, posteriormente, para vender um veículo.
A outra arguida, ex-companheira do também acusado, admitiu que ajudou a transportar o corpo da vítima a pedido dos outros dois arguidos.
Os três estão acusados dos crimes de homicídio e de ocultação de cadáver.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar