Login  Recuperar
Password
  21 de Novembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas / Economia
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Junta abre fablab de carpintaria para transformar árvores abatidas em peças de design

A União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório foi uma das 44 selecionadas em todo o país para avançar com o seu projeto “economia circular- toca a aproveitar”. O projeto promovido pelo Fundo Ambiental recebeu 99 candidaturas. A União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório ficou em 20º lugar com 4,37 pontos de (1 a 5) e o seu projeto, que consiste em ideias para reutilizar troncos de árvores abatidas, é considerado essencial para o desenvolvimento de boas práticas de economia circular nas Caldas da Rainha.

06-11-2019 | Marlene Sousa

O projeto “economia circular - toca a aproveitar”, da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, teve a colaboração da empresa Partnia
O projeto “economia circular - toca a aproveitar”, da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, teve a colaboração da empresa Partnia
“Na manutenção e gestão do Parque D. Carlos I, da Mata Rainha D. Leonor e também outros locais das nossas freguesias deparamo-nos com restos de troncos de árvores, árvores abatidas ou sinalizadas como estando em risco de queda que geralmente viram lenha ou até mesmo lixo, e podem com este projeto ser reutilizados para decoração ou no design”, disse, Vítor Marques, presidente da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório.
O projeto “economia circular, toca a aproveitar”, com o orçamento de 20.544 euros e com uma comparticipação de 85%, vai criar e equipar um fablab de carpintaria com 50m2, no armazém da União de Freguesias ao lado do Centro de Juventude. “Estamos na fase de aquisição do equipamentos e ferramentas para que os artistas possam trabalhar a madeira e vamos comprar uma impressora 3D para a fase dos projetos”, explicou o autarca. “Temos a parceria do Cencal, que tem formação na área da carpintaria e que está a dar-nos informação sobre que tipo de equipamentos precisamos para a criação da oficina”, adiantou Vítor Marques.
O primeiro concurso que a União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório vai lançar, brevemente, é de ideias criativas de mobiliário e peças que vão ser colocadas na Mata Rainha D. Leonor, sejam elas mesas, bancos, cadeiras, jogos, caixotes de lixo, sinalética, entre outros.
“Vamos lançar este primeiro projeto, mas a seguir surgirão novos e o objetivo é que outras entidades nos desafiem a criarem em conjunto novas ideias para a transformação desta matéria-prima”, apontou o presidente da União de Freguesias.
A ideia é utilizar os resíduos florestais em fim de vida para a produção de “jogos, troféus, peças decorativas e artísticas ou de uso doméstico, entre outros”.
A oficina de carpintaria irá permitir que o material recolhido seja utilizado por designers, artesãos com educação nas escolas da cidade, nomeadamente do Cenfim, Cencal e da ESAD.CR, e todos os interessados do Município, como microempresas e pequenos empresários que apresentem um projeto para a boa utilização dos resíduos florestais.
Vítor Marques espera até o final de março já ter “mobiliário e peças que colocadas na Mata Rainha D. Leonor”. “Já temos disponível matéria-prima e estamos a continuar a fazer intervenção em árvores que estão em risco de queda”, disse o autarca, acrescentando que agora é preciso “que os nossos artistas deem ideias criativas para dar a este material uma segunda vida”.
O objetivo é a abertura de um projeto de residência artística para a produção de obras de autor aproveitando os resíduos florestais de recolha e que a manufatura possa ser feita por artesãos locais. Todas as peças criadas no âmbito deste projeto têm que ter o registo do logotipo.
Vão ser criados quatro outdoors em madeira com a explicação do projeto, nomeadamente o diagrama da economia circular e as boas práticas implementadas no projeto, posicionados na sede da Junta de Freguesia, Mata Rainha D. Leonor, Parque D. Carlos I e porta do Fablab.
O projeto “economia circular - toca a aproveitar” teve a colaboração da empresa Partnia, com sede nos Silos, nas Caldas da Rainha.
Este programa é promovido pelo Fundo Ambiental, um instrumento financeiro de apoio à política ambiental do Governo, criada pelo Ministério do Ambiente.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Escolhas do Editor
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar