Login  Recuperar
Password
  17 de Agosto de 2018
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas / Política
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Centro Hospitalar do Oeste com novo estatuto

Foi aprovado em Conselho de Ministros, no dia 10 de maio, o decreto-lei que integra o Centro Hospitalar do Oeste (CHO) no sector empresarial do Estado como Entidade Pública Empresarial (EPE). O CHO é composto por três unidades hospitalares, nas Caldas da Rainha, Peniche e Torres Vedras, servindo cerca de 300 mil utentes.

17-05-2018 |

Esta alteração de estatuto jurídico-organizacional do CHO, que deixa de estar integrado no Setor Público Administrativo (SPA) “proporcionará uma maior flexibilização da gestão daquelas três unidades hospitalares, numa perspectiva integrada e de complementaridade, potenciando a optimização dos seus recursos e permitindo uma maior autonomia ao nível dos procedimentos contratuais, designadamente de admissão de profissionais de saúde, contribuindo decisivamente para a melhoria da prestação de cuidados de saúde às populações por aquele abrangidas”.
A decisão do Conselho de Ministros terá agora que ser promulgada pelo Presidente da República e publicada em Diário da República, altura em que será nomeado um novo conselho de administração.
Em comunicado, o Partido Socialista das Caldas da Rainha congratula-se pela aprovação, comentando que “um hospital que se queira competente não pode continuar com precários ao seu serviço.
A passagem a EPE do CHO “contribuirá não só para resolver o problema dos precários, como ajudará significativamente na contratação de mais profissionais de saúde. Cerca de 60% dos médicos que trabalham nas urgências do hospital das Caldas são subcontratados, não dispondo o centro hospitalar de um quadro clínico que permita assegurar tranquilamente e com os seus próprios recursos, o funcionamento das urgências”, manifestou.
“Idêntico problema é sentido com outras classes profissionais como a de enfermagem, agravado com a saída de número significativo destes profissionais para as administrações regionais de saúde na sequência de concurso público concluído em finais do ano passado, comprometendo o normal funcionamento de alguns serviços como o caso do de obstetrícia”, afirmou o PS.
“Acreditamos, após os anos de desinvestimento nos serviços público de saúde, que é possível reconstruir o capital de esperança para o nosso CHO”, rematou.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar