Login  Recuperar
Password
  8 de Dezembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Escaparate

Igreja de São Pedro

Óbidos é uma das mais belas vilas da Europa. Um local repleto de imaginação e ternuras. Quem conhece, ama. Quem ali nasce, respeita. Caminhar por Óbidos, dentro ou fora das muralhas, permite-nos encontrar motivos para encantamento.

04-12-2019 |

Rui Calisto
Rui Calisto

Um dos meus deslumbramentos é referente aos monumentos seculares, carregados de uma história viva, ofuscados por mitos, e enraizados na mais sublime memória humana.

Uma das edificações importantes que nos encandeiam o olhar, e a alma, é a Igreja de São Pedro. Alçada entre os séculos XIII e XIV, tendo sido um templo gótico de três naves, com alpendre e escadaria no pórtico, este, portador de uma pedra com alto-relevo ostentando um signo-saimão.

Um vórtice, ocorrido a 19 de novembro de 1724, muito a castigou, porém, foi o terremoto de 1755, que deixou as suas fragilidades à mostra, pois, veio ao chão quase na totalidade, salvando-se apenas o altar-mor, em talha dourada com trono, construído entre os anos de 1690 e 1705, e a torre sineira, com o seu esplêndido escadório espiralado em pedra, assim arquitetado porque “só subirá a Montanha do Senhor quem tiver as mãos limpas e o coração puro”.

Depois, por graça e obra de esclarecidos, foi despretenciosamente reerguida com um interior de nave única. Tantas décadas passadas e podemos ali admirar o magnífico retábulo de autoria do pintor João da Costa (Séc. XVII), emoldurando uma cena que retrata São Pedro recebendo de Cristo as chaves do Céu. É de referir, também, que ali estão os sepulcros de Josefa de Ayala (1630-1684), sob o solho do pórtico da sacristia, junto ao altar transversal de Nossa Senhora do Rosário; e, na parede do altar-mor, do lado norte, as cinzas do clérigo Francisco Rafael Silveira Malhão (1794-1860), beneficiado, orador e poeta.

No cimo da entrada principal da Igreja de São Pedro podemos ler a inscrição “Beatus es Simon Bar Jonas” (Bendito és tu, Simão Barjonas). É de notar que o conjunto hebraico “Bar Jonas” significa “o filho de Jonas”, “porque não foi carne e sangue que to revelou, mas meu Pai, que está nos céus” (Mateus 16,15-17. Bíblia Almeida), elevando, assim, o pensamento católico da comunidade, para a bem-aventurança. Uma reflexão digna da beatitude dos que se colocam acima da concupiscência e buscam seguir o caminho do Senhor.

Na magnífica nave, coberta por teto de esteira, exibem-se distintos altares com fecunda imaginária setecentista, de entre as quais incorrem em singular referência: São Martinho e Nossa Senhora da Piedade.

Já na antiga Capela do Santíssimo Sacramento, ao lado direito de quem entra, podemos observar a obra de “talha policromada, toda de frutos, sobre a qual assentam as colunas“, que pertenceu à ermida, com o mesmo nome, do antigo Mosteiro de Nossa Senhora da Conceição, “constituído por frades da Ordem de São Jerónimo, fundado na Ribeira de Vale Benfeito”.

Atribuídos a Josefa de Ayala, encontramos, nas paredes da entrada, de ambos os lados, dois medalhões (São João Evangelista e São Marcos), no períbolo podemos admirar, do lado esquerdo, assaz esmorecida, a laje sepulcral do antigo alcaide-mor, João Annes do Pó, e, na sacristia, variadas efígies do século XVII, de entre elas, a de São Benedito, o Mouro. 

Tenho a sensação escarlate de, em arredadas épocas, ter vivido nas imediações dessa Igreja, talvez entre os folhos emocionais de alguma geração espirituosa, cujos acordes de flauta reta, alaúde ou saltério exaltavam fantasias e tremeluziam ímpares comoções. Pois, é com saudade que olho aquele monumento, aquelas ruas, aquelas gentes.


Rui Calisto 

Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar