Login  Recuperar
Password
  25 de Outubro de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Fonoteca Municipal das Caldas da Rainha

Existem memórias que nunca deveríamos perder, uma delas, a meu ver, está relacionada com os discos de vinil que alguns de nós ainda possuem.

01-09-2020 | Rui Calisto

Não há no concelho um grande especialista em discos nesse suporte, o que temos são curiosos, que despejam uma série de informações mal-amanhadas, e que conseguem, talvez devido ao volume com que propagam as barbáries, fazer-se ouvir.
Baseando-me em conversas com alguns amigos de Lisboa, autoridades absolutas no que trata ao vinil, lembrei-me de escrever acerca dessa paixão, e das Caldas da Rainha.
Decidi fazê-lo, também, para tentar sensibilizar os autarcas para a criação de uma Fonoteca Municipal, um local onde poderíamos arquivar, tratar e disponibilizar para audições, diversas coleções que jazem espalhadas por inúmeras coleções e que, antes de serem atiradas ao lixo, após a morte dos seus proprietários, pudessem ser mais uma riqueza cultural do concelho.
Zero Freitas, o conhecido empresário brasileiro José Roberto Alves Freitas (1955), é atualmente o maior colecionador de discos de vinil do Planeta. O seu acervo ultrapassa os SETE milhões de discos. Este homem, conhecedor do bem que possui, quer criar um espaço público na cidade de São Paulo para que qualquer pessoa possa usufruir de sua magnífica coleção. O que reflete um profundo amor pela sua terra e pelo seu património.
De norte a sul de Portugal há coleções particulares muito interessantes, tanto em volume (algumas atingem os 40 mil exemplares) quanto em qualidade. Nas Caldas da Rainha não há coleções impactantes, o que não é impedimento para criar-se uma Fonoteca.
Lembrando que essa Casa de Cultura poderia, evidentemente, ser, também, o repositório de outros formatos, nomeadamente o DVD e o CD. Além disso, seria possível desenvolver diversas atividades, oficinas musicais e ações distintas de animação cultural, para os mais diferentes públicos.
A criação de um espaço lúdico, relacionado com a música, numa área dedicada às crianças, seria um modo de aproximar a juventude de sonoridades que estão muito além daquilo que podem receber via Internet, além de existir a possibilidade desse espaço ser um polo de apoio aos Conservatórios de Música, deste e dos concelhos vizinhos.
Outra vertente que tal projeto pode possuir: A criação de um estúdio de gravação e de pós-produção de áudio, câmara de eco, anexos para a realização de voz off, acabamentos musicais, restauração de suportes, etc., mais-valias para os músicos da região Oeste.
Evidentemente, seria necessário um método basilar e ativo, no sentido de atrair público e, principalmente, de doação de acervos, um trabalho a ser desenvolvido com muita seriedade, para que não seja mais um arquivo morto, como outros existentes no concelho.
Preencher os campos funcionais, temáticos e históricos, para ressaltar a missão dessa entidade, fixando-a para a posteridade, é um trabalho deveras interessante, e que só poderá ser desenvolvido por pessoas da área musical, e não por comissários de cartola, que despejam frases sensaboronas, ao sabor de uma maré ultrapassada. Se Caldas da Rainha não possuísse uma plateia culturalmente leiga (deve ser um mal geral no país) certas mentalidades bacocas já teriam regressado ao sarcófago.
Finalizando: Uma fonoteca municipal trará ao concelho uma evidência ímpar, principalmente se verificarmos que em Portugal existem apenas duas, a de Lisboa e a do Porto.
Diagnosticar a música, em qualquer género, desde os primórdios, é possível, bastando, para isso, evidenciar uma reflexão acerca da importância de proteger acervos. A existência da Fonoteca Municipal das Caldas da Rainha será o grande contributo nesse sentido. Como o será também para identificar o público ouvinte, mostrando ao futuro qual o calibre das gentes oestinas.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar