Login  Recuperar
Password
  20 de Setembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Cadaval
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

“Escrita Terapêutica” em palestra no Cadaval

“Escrita Terapêutica” foi o ponto de partida do encontro, promovido pela Biblioteca Municipal do Cadaval, no dia 9, que contou com a presença do enfermeiro, escritor e terapeuta Ricardo Fonseca. A sessão abordou a escrita como ferramenta de gestão emocional e contemplou ainda apresentação do livro “O Semeador de Emoções”.

19-12-2018 |

Ricardo Fonseca acompanhado da vice-presidente da Câmara do Cadaval, Fátima Paz
Ricardo Fonseca acompanhado da vice-presidente da Câmara do Cadaval, Fátima Paz
“Há quanto tempo não escrevem uma carta ou um postal a alguém?” - foi este o mote lançado por Ricardo Fonseca ao início do encontro, perante uma plateia atenta, maioritariamente feminina.
“Eu, ao colocar numa carta aquilo que sinto, aquilo que eu estou a viver, e de que forma é que aquilo que eu sinto me está a influenciar, isso já é terapia através da escrita”, explicou o terapeuta, que diz escrever sobre as próprias emoções desde os dez anos.
O escritor iniciava, assim, a abordagem das “cartas emocionais ou terapêuticas”, um dos exercícios (e autoexercícios) utilizados, por si, no âmbito da escrita terapêutica.
A escrita terapêutica nasceu, para si, há alguns anos, a partir do feedback que ia tendo das pessoas que liam o que escrevia. “Eu escrevo muito sobre as minhas experiências de vida, como enfermeiro, como ser humano, como voluntario numa associação e como pessoa a viver com dor crónica. Tudo aquilo que eu acho que pode vir a influenciar alguém a olhar para as suas emoções, eu escrevo”, salientou. O intuito, explica, é o de levar as pessoas a questionarem o que é que sentem e, a seguir, o que é que fazem com o que estão a sentir.
“Ao mesmo tempo, utilizo a escrita terapêutica enquanto enfermeiro de crianças com doença crónica, onde há um campo emocional muito vasto”, relatou. “Comecei a utilizá-la com os pais, no sentido de lidarem com a doença do filho”, descreveu, no contexto da sua experiência de cuidados paliativos.
Em relação ao último trabalho do autor, “O Semeador de Emoções”, trata-se de “uma coletânea de textos que falam sobre emoções, sobre a vida, o amor e a convivência com doença crónica, que pretende inspirar os leitores a se tornarem semeadores de emoções da sua vida e da vida do outro”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar