Login  Recuperar
Password
  30 de Outubro de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Cadaval
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Época das vindimas já começou

Em meados de setembro chega a tradicional época de andar com tesoura na mão e com os pés no mosto no Oeste, apesar deste ano se realizar de forma “atípica” pelos fortes condicionamentos da Covid-19 e pelos meses de elevadas temperaturas, o que faz com que em termos de produção, “não seja um dos melhores anos”. O JORNAL DAS CALDAS foi acompanhar um dia da campanha, em duas vinhas de produtores de vinhos da região do Cadaval, que já começaram a vindimar as suas encostas, com métodos de apanha distintos. Numa entram as máquinas, noutra só as tesouras. Por esta altura também é possível verificar muitos jovens que andam na vindima durante semanas para ganhar algum dinheiro extra, mas há também outros que vêm para ajudar, porque gostam das vindimas.

22-09-2020 | Mariana Martinho

Na região do Cadaval, os produtores de vinho já começaram a vindimar as suas encostas, com métodos de apanha distintos
[+] Fotos
Na região do Cadaval, os produtores de vinho já começaram a vindimar as suas encostas, com métodos de apanha distintos
Sexta-feira, 08h30. Um grupo de veteranos encontra-se no largo combinado, para depois se deslocar para as vinhas da Casa Nicolau.
No dia que está a começar quente um grupo atarefa-se a colher os bagos, naquela que será a última jornada de um trabalho que já começou há uma semana.
Horácio Nicolau, proprietário de cerca de 30 hectares de vinha plantada, é quem carrega um a um os cestos apinhados de uvas para o trator. Leva tintas e brancas.
Com o trabalho já a meio caminho, porque noutros dias em algumas das suas vinhas “já andaram as máquinas a colher os bagos”, Horácio Nicolau estima terminar esta semana a vindima.
O produtor sabe que a tradição já não é o que era e que assim “sai mais barato”, disse o responsável, referindo-se à colheita mecânica que lhe poupou uns dias de trabalho. “Em quatro horas tenho tudo vindimado e não tenho de me preocupar em arranjar pessoal”, explicou, referindo que este ano conta com apoio de apenas dez trabalhadores, que pontualmente “vêm ajudar”. Até porque “não os há e com a pandemia pior ainda”. Contudo, “aos que há são exigidos todos os cuidados de prevenção contra a Covid-19”.
Uns vêm para arranjar um dinheiro extra, outros para ajudar, porque gostam das vindimas. Também há quem aos 85 anos continue a pegar na tesoura e quem tenha vindo vindimar pela primeira vez.
Outra tradição que se tem perdido é o pisar da uva. “Isso era no tempo dos nossos pais. Agora é tudo mecanizado e a verdade é que no final o néctar fica mais apurado e com melhores aromas. Não leva aquele verdete dos engaços”, justificou Horácio Nicolau, que herdou o gosto pela vinha dos pais e avós. “Depois de colocadas no trator, as uvas são encaminhadas para a quinta em Adão Lobo, para serem posteriormente bombeadas e esmagadas”, explicou o responsável, adiantando que no caso das uvas brancas, essas são bombeadas diretamente para a prensa, e nas tintas são bombeadas para cubas onde aguardam pelo processo de fermentação.
Para este produtor de vinhos brancos e tintos, já reconhecidos com vários prémios, “a estimativa é que este ano, a produção seja média em relação ao ano passado, mas com uvas em bom estado de maturação”. Apesar de “não ser um dos melhores anos” em termos de produção, Horácio Nicolau estima que a colheita de 2020 apresente vinho de boa qualidade, com “uvas a apresentarem bons graus”.

Receção das uvas é feita de “forma diferente”

Enquanto num lado o corte do cacho ainda se mantém cem por cento manual, noutro o processo de colheita vai-se adaptando às novas tecnologias, modernizando este método. Um exemplo disto é a Adega Cooperativa da Vermelha, que com 350 associados e plantação própria já começou na passada sexta-feira a receber colheita das suas uvas através do processo mecânico, que posteriormente dará origem a “um bom vinho”, afirmou o presidente da Adega, Rui Soares.
Segundo o responsável, “tal como aconteceu o ano passado, este ano as condições climatéricas também nos ajudaram a ter um bom néctar. Em relação aos vinhos brancos, a perspetiva é ter entre 10 a 15% mais de produção, com um grau alcoólico um pouco acima do ano passado. Em relação aos tintos temos uma previsão de que a produção seja idêntica à do ano passado”.
Nesta adega, o processo de receção das uvas é feita de “forma diferente” consoante o pressuposto de vendas e das necessidades que a cooperativa tem para canalizar as uvas para certos vinhos. “É feito um escalonamento das vindimas com datas para receber castas específicas”, explicou o responsável pela parte da gestão financeira e comercial da Adega, Nuno Rodrigues, dando como exemplo o caso das castas brancas, “que são aquelas que estamos a receber agora”, Fernão Pires, Moscatel Graúdo e Arinto, e as castas tintas, como por exemplo Aragonês e Syrah, que deverão ser cortadas uma semana mais tarde.
Este processo, que faz com “estejamos com vinhos cada vez mais reconhecidos no mercado, não só pela marca e pelo consumidor, como também em concursos nacionais e internacionais”, deverá durar pelo menos três semanas.

Apanha das uvas com máscara e distanciamento

Com mais de 1400 hectares, a adega nestes dias vê o movimento aumentar, com a entrada e saída de associados, que “chegam todos os dias com as devidas precauções contra a Covid-19, e colocam o seu equipamento no sistema informático, onde posteriormente são encaminhados até aos respetivos tegões, que contêm a sua variedade, para deixar as suas uvas”.
Apesar de este ano “termos menos pessoas do que o ano passado”, a vindima tem sido foi feita de forma diferente, pois a Covid-19 impediu a proximidade a que os participantes estavam acostumados. A habitual animação talvez se tenha mantido, mas as risadas são filtradas pelas máscaras. No geral, a Adega soube lidar com esta nova realidade, estabelecendo normas tais como o distanciamento social e o uso de máscaras.
“Durante as vindimas implementamos um plano de contingência, que implica uma separação física dos trabalhadores. Os que estão afetos à linha não podem estar misturados com os trabalhadores afetos à campanha, bem como não podem estar juntos nos espaços de refeições e balneários. Já dentro da adega, temos um protocolo que está a ser respeitado, com álcool gel em todas áreas, máscaras e medição de temperatura”, relatou a engenheira responsável pela parte dos recursos humanos e qualidade, Catarina Siopa.
A quota de exportação está na ordem dos 50%, embora “tivéssemos quebras brutas em alguns mercados, como o Brasil e África.
“Não foi um ano mau, pois o volume de negócios cresceu”, sublinhou Nuno Rodrigues, adiantando que “em plena época de pandemia haver um crescimento no número de negócios é de facto bom”.
A adega apostou na venda de vinhos online, com oferta dos portes de envio. “No vinho não é muito normal mas foi e continua a ser uma agradável surpresa, onde verificou-se um crescimento dessa modalidade”, sublinhou o responsável, adiantando que a adega também vai continuar a apostar “em outras novidades para a marca Mundus nos próximos tempos”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar