Login  Recuperar
Password
  27 de Maio de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Caldas / Sociedade
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

As tecnologias em alta com a crise Covid-19

“Ensino à distância reinventado à medida dos contratempos”

“Quero acreditar que esta crise fará muito pela definição de novas formas de trabalho através de várias plataformas e/ou ferramentas, uma vez que está a obrigar as pessoas a um esforço de adaptação e aprendizagem”, disse Maria de Lourdes Gomes, professora da disciplina de programação e docente do curso profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos na Escola Secundária Raul Proença, em Caldas da Rainha.

27-03-2020 | Marlene Sousa

Os alunos têm utilizado várias plataformas nestas primeiras duas semanas de ensino à distância
[+] Fotos
Os alunos têm utilizado várias plataformas nestas primeiras duas semanas de ensino à distância
A sociedade está a viver a primeira grande experiência de isolamento social obrigatório em simultâneo com o teletrabalho e teleconferências.
As escolas encerraram a 16 de março para tentar conter a disseminação do novo coronavírus e cerca de três mil crianças e jovens, da creche ao ensino superior, das Caldas da Rainha, estão em casa, a aprender através do ensino à distância.
Segundo a professora, “estamos a viver uma fase de mudança, para a qual nenhum de nós estava preparado” e as primeiras duas semanas de ensino à distância representaram um “desafio de aprendizagem para professores, alunos e famílias com um acompanhamento que se foi adaptando e reinventando à medida que alguns contratempos iam surgindo”.
“A realidade é que não podemos parar e foram criadas condições, através de várias plataformas e/ou ferramentas, que propiciaram o contacto com os nossos alunos e formas de trabalho colaborativo”, adiantou.
Nestes primeiros dias de ensino à distância as plataformas ligadas à educação que estão a ser mais utilizadas pelos professores e estudantes têm sido o Moodle, o Schoology, o Microsoft Teams, assim como o Webex. Outros privilegiaram o uso de e-mail, como forma de comunicação e o uso de ferramentas como o Zoom e o Slack.
Em declarações ao JORNAL DAS CALDAS a docente de programação diz que “os alunos estão a conseguir enviar as tarefas que têm sido solicitadas”. “As ferramentas de uso foram sendo adaptadas em função, também, do modo como cada um podia funcionar com as mesmas”, explicou Maria de Lourdes Gomes.
Quanto às famílias que não têm computador ou Internet, esta docente considera que se este “período difícil perdurar, julgo que serão encontradas práticas de poder superar estas situações”.
Questionada sobre se as autarquias, empresas e instituições públicas e privadas portuguesas estão preparadas para o teletrabalho, Maria de Lourdes Gomes afirmou que muitas entidades em que o trabalho principal assenta no uso de ferramentas compatíveis com o teletrabalho, “estarão neste momento a enfrentar o desafio de poder experienciar essa situação e a criar condições para que essa realidade possa efetivamente acontecer”. “É claro que em casa temos de adicionar a componente família e, de repente, lidar com essa nova realidade, mas é altura de superar o momento”.
Como é que seria viver a pandemia do Covid-19 sem a era digital? A professora de Gestão e Programação referiu que “os meios de que dispomos são uma via rápida para a circulação da informação e permitem que, de uma forma muito mais imediata, todos possam ter acesso e conhecimento do que se passa a cada instante”. No entanto, aconselhou a “ter cuidado com as fake news, que, infelizmente, têm tendência a proliferar em situações deste género”.
“É importante que a informação que circula seja útil e ponderada, só assim teremos uma sociedade informada, responsável e capaz de atuar assertivamente”, salientou.
O mundo será um lugar diferente depois de tudo isto? “Sem dúvida”, manifestou a professora, que espera, no entanto, que “tudo aquilo que, neste momento, possa ser visto como ensinamento, contribua realmente para podermos ser mais conscientes, nos vários aspetos da nossa existência”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar