Login  Recuperar
Password
  31 de Maio de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

É para quem se revê!

Não há como não amar um artista porque ele tem sempre beleza dentro de si.

29-01-2020 | Maria Dulce Horta

Maria Dulce Horta
Maria Dulce Horta
Para se amar um artista tem que saber ser livre.
Não falo do amor livre, aquele desvairado em que nada importa, em que corpos e bocas diversas fazem parte de tudo sem mesmo fazer parte de nada. Não é desse que falo, também não falo de amor livre, desse que quase já não há. Aquele que as pessoas fingem se amar, fingem se importar mas na verdade não, olham para o lado sempre à procura de algo melhor e sofrem por dentro por não saber o que procurar. Não é desse amor que falo.
Na verdade nem quero dizer nada sobre o amor livre. Não é o amor que deve ser livre. Nós é que temos que ser livres…
E ser livre não significa ser rebelde, adverso, sem compromissos ou desinteressado. Ser livre não significa fazer o que se acha que se deveria, só para parecer independente. Ser livre não significa agir inconsequentemente sem se preocupar com o que o outro sente, com o que o outro pensa, com que o outro precisa. Ser livre não é estar ausente.
Aliás, acho que esse é um dos maiores desafios da liberdade: Estar presente!
Porque para se ser livre tem que se entender o mundo, a diversidade dos sentimentos, a diversidade das pessoas, a diversidade de ideias e opiniões.
Tem que se fazer escolhas sem ferir as alheias, sem prender, sem forçar, sem dominar.
Ser livre não é estar no topo, é estar…apenas.
E para se amar de verdade um artista é preciso entender que nada é o que parece, que as coisas mudam e que nem sempre dão certo, é preciso entender que os sonhos podem virar realidade - nem que seja somente na ponta do lápis - mas que nem sempre esses sonhos são reais. Podem ser só sonhos do artista…
É preciso entender que as horas passam, os dias passam, os anos passam e ele vai estar sempre lá, apaixonado pelo trabalho (que vai ser o único amante verdadeiro de sua vida).
Por esse motivo o artista ama o seu trabalho: porque é livre.
Para se amar um artista é preciso olhar com atenção e se deixar ser olhado...
É preciso estar só e deixar-nos só - sem realmente estar em ambos os momentos. É preciso criar rotinas dentro do caos, novas histórias dentro da história, motivos para amar, e espaços para viver.
É estar lá e saber que o artista também vai estar. É sentir e saber que o artista também vai sentir. É amar e saber que o artista também vai amar. Sem necessariamente ele ter que provar isso a todo momento.
As provas de amor de um artista vêm através de sua arte. O quanto mais ele ama, mais ele se sente criador.
Não que o artista não crie também quando está triste ou desamado - mas aí é quando o amor próprio fala.
Ele muitas vezes parece distante, às vezes também parece frio, longe dos demais e triste - e não vai ser por sua causa...o artista sofre, sozinho, ele sofre da sua própria criação.
Ele às vezes vai parecer animado, às vezes vai parecer eufórico, às vezes vai parecer feliz. Aproveite sempre esses momentos com ele.
Mas não quero dizer com tudo isso que amar um artista é uma entrega solitária. Ele também vai-te amar, e te agradar, e te respeitar:
Saber ser livre para amar o seu jeito desconexo. Livre pra entender as suas ausências. Livre para admirar as suas criações. Livre para controlar os ciúmes. Livre para se ausentar sem jogos. Livre para viver sem amarras. Livre para amar sem medo.
Livre sem medo de ser amado da forma que ele souber amar.
Para se amar um artista tem que se entender que o amor é livre, sem necessariamente ser o amor livre desvairado ou o amor livre desinteressado.
O amor é livre pois é pessoal, individual e intransferível. É variável dentro de uma mesma forma e simples o suficiente para assustar…
Para se amar um artista tem que saber que não importa o que vai acontecer, se for digno de receber amor - qualquer tipo de amor - ele será seu.
Inevitavelmente.
Pode parecer complicado, muitas regras, muitos problemas...mas não, não é.
É assim.
A grande questão que precisa de saber responder para saber se pode ou não amar um artista é: Por acaso sabe ser livre?
Se a resposta for não, lamento muito.
Se a resposta for sim, então apenas te informo que, se for realmente livre, o artista te amará antes que tu o ames - e não há como não amar um artista porque ele tem sempre beleza dentro de si.
Eu sou uma artista, eu amo-me a mim própria!
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar