Login  Recuperar
Password
  5 de Abril de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Ocorrências
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Dezasseis anos de prisão por matar ex-colega com facada

Um instrutor de surf, de 31 anos, acusado do homicídio de um ex-colega de trabalho em 10 de julho de 2018, numa zona de estacionamento próximo do forte da Praia de Paimogo, na Lourinhã, foi condenado na passada quinta-feira a dezasseis anos de prisão pelo Tribunal de Loures, onde se realizou o julgamento.

15-01-2020 |

João Moura Pinto, que confessou o crime, admitiu ter esfaqueado a vítima no peito, Tiago Maurício Martins, de 35 anos, tendo depois levado o cadáver até às urgências do Hospital de Peniche.

O crime foi presenciado por uma testemunha, que alertou a GNR da Lourinhã. Os militares deslocaram-se ao local e apreenderam a faca usada para consumar o ato e que tinha sido deixada abandonada junto às arribas.

O homicida, residente no Baleal, em Peniche, ter-se-á desentendido com a vítima, acusando-o por ter sido despedido há algum tempo da empresa em que trabalhavam juntos, pelo que se encontravam desavindos, sendo que já tinham ocorridos agressões entre ambos.

Combinaram por telefone encontrar-se no parque de estacionamento da praia de Paimogo, tendo a vítima, residente em Sobral, Lourinhã, sido atacada de surpresa.

O arguido esteve em prisão preventiva até 20 de novembro de 2018 e, desde essa data, encontrava-se em prisão domiciliária a aguardar julgamento.

O coletivo de juízes deu como provados os factos descritos na acusação, tendo também condenado o arguido ao pagamento de uma indemnização de 200 mil euros, disse à agência Lusa fonte judicial.

Nas alegações finais, o Ministério Público tinha pedido uma pena de 17 anos, enquanto o assistente, que representa a família da vítima, 20 anos e a defesa do arguido uma pena inferior a 16 anos, por defender que não houve premeditação do crime e, nesse sentido, deveria ser considerado homicídio simples e não qualificado.

O advogado de defesa do arguido, Jorge Gabriel Martins, disse à Lusa que vai recorrer da decisão.

Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar