Login  Recuperar
Password
  22 de Abril de 2021
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Ocorrências
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Condenada por tentar matar o filho com pena reduzida em sete anos

O Tribunal da Relação de Lisboa reduziu a pena aplicada em julho à mulher que no ano passado foi detida depois de ter procurado envenenar e afogar o filho de sete anos. A condenação de dezassete anos de prisão por sete crimes de homicídio qualificado na forma tentada, decidida pelo Tribunal de Lisboa, passou agora para dez anos.

08-12-2020 |

Patrícia Ribeiro tinha também sido condenada a pagar uma indemnização de 300 mil euros ao filho e 25 mil euros ao pai da criança, bombeiro da corporação de Óbidos de quem estava separada. Agora o Tribunal da Relação absolveu-a de pagar a indemnização ao ex-marido e reduziu para 100 mil euros a compensação ao filho.
Segundo o jornal Correio da Manhã, os desembargadores defendem que a pena de dezassete anos é "algo exagerada" e que o tribunal ignorou o quadro psicopatológico da arguida, que sofre de Síndrome de Münchausen por Procuração, caraterizado por alguém que tenta fazer mal a outro, neste caso a uma criança, para chamar a atenção sobre si próprio.
Para os juízes, a pena de dez anos "representa já um castigo severo para uma mulher próximo dos 30 anos".
A mulher foi detida quando tinha 27 anos, numa altura em que trabalhava numa empresa de mergulho em Peniche, depois de ter sido bombeira em situação de reserva na corporação de Óbidos.
A arguida admitiu que pretendia captar a atenção da família. Foi crucial o testemunho do filho mas também a vigilância montada no hospital D. Estefânia, em Lisboa, onde foi detetada a administrar clorofórmio à criança, quando esta estava internada após outros episódios de envenenamento.
Embora tenha alegado não se recordar desses atos nem de ter empurrado o filho para um tanque de água com três metros de profundidade, Patrícia Ribeiro declarou que após ter sido submetida a terapia é que tomou consciência do mal que cometeu.
O menino, atualmente com oito anos, sofreu mazelas de saúde que poderão acompanhá-lo para o resto da vida.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar