Login  Recuperar
Password
  25 de Outubro de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Caldas da Rainha, Educação
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Competências na educação tem que ser assumidas pelo município das Caldas neste ano letivo de 2020/2021

A Câmara das Caldas da Rainha tentou adiar a transferência de competências no domínio da Educação, na sequência da pandemia. O presidente da Câmara, Tinta Ferreira levou a proposta do adiamento à Assembleia Municipal, que corroborou no pedido de prorrogação da transferência de competências para daqui por dois anos. A explicação é dada ao JORNAL DAS CALDAS, pela vice-presidente da Câmara das Caldas, Maria João Domingos, que referiu que no passado dia 24 de julho a Direção Geral da Administração Local (DGAL), comunicou que não pode ser adiado o exercício pelo município, das competências de Educação e que é obrigado a aceitar a transferência já neste novo ano letivo de 2020/2021.

01-09-2020 | Marlene Sousa

A explicação do processo de transferência de competências no domínio da Educação é dada ao JORNAL DAS CALDAS, pela autarca Maria João Domingos
A explicação do processo de transferência de competências no domínio da Educação é dada ao JORNAL DAS CALDAS, pela autarca Maria João Domingos
Transitam para a Câmara Municipal após publicação da lista nominativa em Diário da República, confirmada pela DGESTE (Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares), cerca de 31 Assistente Técnicos e 147 Assistentes Operacionais que exercem atualmente funções nos 3 Agrupamentos de Escolas de Caldas da Rainha.
No entanto a autarca revela que após a “espectável publicação do Decreto-Lei de 12 de Agosto, o qual prorroga o prazo de transferência de competências para as autarquias locais e entidades intermunicipais nos domínios da educação e da saúde, foi solicitado a DGAL que se pronuncie sobre se a prorrogação prevista no referido decreto é aplicável ao Município de Caldas da Rainha, e que aguardamos”.
Em entrevista ao JORNAL DAS CALDAS, a vice-presidente, explica o processo de transferências na área da Educação.


JORNAL DAS CALDAS: O executivo camarário deliberou adiar o processo de transferências na área da Educação para 2022. Porque é que o adiamento de transferências foi indeferido?

Maria João Domingos - Na sequencia de reunião na CIMOESTE dos autarcas da região com a Senhora Ministra da Modernização do Estado e Administração Pública, Drª Alexandra Leitão, e contactos com a Associação Nacional de Municípios Portugueses, em que foram abordados os desenvolvimentos da aplicação da Lei nº50/2018 e atuais dificuldades de operacionalização e por considerar que o contexto de saúde pública decorrente da epidemia COVID-19, não viabilizava as necessárias condições de articulação preparatórias desse exercício, o município questionou formalmente a Direção Geral da Administração Local (DGAL), relativamente à possibilidade de adiar a disposição manifestada pela Autarquia de Caldas da Rainha, em setembro de 2019, de aceitação das transferências de competências no domínio de Educação previstas no Decreto-Lei nº 21/2019.
Em face das orientações recebidas da DGAL a 30 de abril, o executivo camarário, em 11 de maio de 2020, delibera adiar a aceitação da referida transferência de competências, tendo essa deliberação (nº 666/2020) sido posteriormente aprovada por unanimidade em Assembleia Municipal de 23 de junho de 2020 e imediatamente comunicada no portal da DGAL. A 24 de Julho de 2020 a DGAL, não obstante a sua indicação anterior, e por ter “obtido posteriormente informação” comunica que não pode ser adiado o exercício pelo município, das competências de educação.
Após a espectável publicação do Decreto-Lei nº 56/2020 de 12 de Agosto, o qual prorroga o prazo de transferência de competências para as autarquias locais e entidades intermunicipais nos domínios da educação e da saúde, e tendo presentes as deliberações tomadas pelos órgãos municipais da autarquia, foi solicitado a DGAL que se pronuncie sobre se a prorrogação prevista no referido decreto é aplicável ao Município de Caldas da Rainha, e que aguardamos.

J.C.: Houve uma reunião no passado dia 26 com os diretores dos Agrupamentos?

M.J.D. - Os trabalhos preparatórios do exercício de competências já foram iniciados com os Agrupamentos de Escola há algum tempo. Na passada 4ª feira reuniu a comissão de acompanhamento e monitorização, conforme previsto no artigo 66º do Decreto-Lei nº 21/2019. Esta comissão tem como representante do departamento governamental responsável pela área da Educação o Dr Francisco Neves da Dgeste, o que permitiu esclarecer questões especificas dos procedimentos a implementar.

J.C.: Estamos a muito pouco tempo do início do novo ano letivo. Qual o número do pessoal não docente que passará a ser gerido pela Câmara das Caldas?

M.J.D. - Transitam para a Câmara Municipal após publicação da lista nominativa em Diário da República, confirmada pela DGESTE, cerca de 31 Assistente Técnicos e 147 Assistentes Operacionais que exercem atualmente funções nos 3 Agrupamentos de Escolas de Caldas da Rainha.

J.C.: Esta situação vai arrastar processos administrativos para os serviços. Como é que vai ser trabalhada toda essa logística?

M.J.D. - A autarquia tem anunciado que pretende exercer as novas competências em Educação em plena cooperação com os Agrupamentos de Escola, procurando-se que esta transferência não cause disrupções e, pelo contrário, seja facilitadora da gestão quotidiana nas Escolas. E é nesse sentido que temos vindo a definir o quadro procedimental que inscreve essas novas responsabilidades previstas no Decreto-Lei nº 21/2019.
J.C.: Se fosse no próximo ano estavam mais preparados para receber essa transferência? Considera que a transferência de competências da administração central para a autarquia na área da Educação é a mais pesada para o município?

M.J.D. - A complexidade deste processo assume particular dificuldade de operacionalização nesta conjuntura, em que o contexto de saúde pública obrigou à redefinição de prioridades de focalização, por parte de todos os intervenientes no processo, administração central, autarquia e agrupamentos e trouxe constrangimentos ao trabalho preparatório que estava em desenvolvimento. A redefinição e clarificação na implementação de novos processos e procedimentos em áreas vitais como recursos humanos (assistentes técnicos e operacionais), gestão de refeitórios e outros apoios alimentares, circuitos especiais de transportes, funcionamento e manutenção de instalações, exigia-se que pudessem ser efetuadas numa conjuntura de maior tranquilidade e de maior facilidade de articulação e comunicação. Decorre deste entendimento a intenção da autarquia em adiar a decisão de aceitação do exercício de competência para lá do ano lectivo que se avizinha, com todas as incertezas e necessidades de ajustamento decorrentes da situação epidemiológica que vivemos.

J.C.: Quanto ao pacote financeiro. Qual o valor?

M.J.D. - O pacote financeiro associado a esta nova transferência de competências foi comunicado em abril de 2019, tendo por base de calculo a execução do Programa Orçamental do ano de 2018, é de 3 297 676,61. Essa verba será igual ou muito provavelmente inferior à despesa a realizar. Não estão incluídas despesas com a aquisição de equipamento básico, mobiliário, material didático e equipamentos desportivos, laboratoriais, musicais e tecnológicos. Essas responsabilidades mantêm-se no Ministério da Educação.

J.C: - Quais vão ser agora as responsabilidades da autarquia relativamente à educação?

M.J.D. - São as previstas no Decreto-Lei nº 21/2019 e que alargam responsabilidades de recursos humanos nas categorias de assistentes técnicos e assistentes operacionais; de encargos com funcionamento e manutenção das escolas de 2º, 3º ciclos e secundárias e de apoios alimentares nesses ciclos; às competências em exercício de Actividades de Apoio à Família do ensino pré escolar acrescem as Actividades de Enriquecimento Curricular e a contratualização dos circuitos especiais de transportes.

J.C.: Ainda há escolas que precisam de obras como por exemplo a Raul Proença. Como é que fica a situação da manutenção e requalificação das escolas?

M.J.D. - O Município tem vindo a efetuar um significativo investimento na adequação e requalificação dos equipamentos escolares de 1º Ciclo e de educação pré-escolar. Há vários anos que temos feito notar a urgência de uma intervenção de conservação e melhoria nesta escola. A Câmara remeteu, a 7 de setembro de 2018, conforme compromisso assumido em reunião com a então Senhora Secretária de Estado Adjunta e da Educação, Drª Alexandra Leitão, um programa preliminar para a requalificação da Escola Secundária Raúl Proença com uma estimativa orçamental de € 2.363.587,50 (IVA não Incluído).
Mais, na pronúncia relativa à concretização da transferência de competências, pela autarquia, em maio de 2019, foi solicitada a reapreciação da avaliação desta escola como “Escola prioritária para modernização” o que viria a ser conseguido, conforme resposta da Secretaria de Estado a 17 de junho de 2019. Em face dessa classificação aguarda-se que esta seja uma escola a priorizar na abertura de novos avisos para a requalificação dos equipamentos escolares, havendo disponibilidade da autarquia para promover o projecto e assegurar comparticipação para a execução.

J.C.: Já foi feito algum trabalho de identificação das necessidades em termos de recursos humanos, materiais e financeiros?


M.J.D. - Sim, temos vindo a tratar dessas questões com a direção dos Agrupamentos de Escolas. O diagnóstico em curso já evidencia que há necessidades que não estão atualmente respondidas, como seja a colocação de assistentes operacionais em escolas de 1º ciclo com menor número de alunos, sendo que no nosso concelho este ano deverão estar nesta condição 8 estabelecimentos.
Urge suprir esta situação (que já em anos anteriores procuramos apoiar os agrupamentos a obviar), procurando uma situação de maior sustentabilidade no suporte às atividades educativas na perspetiva da qualidade de serviço que se pretende, e que envolverá iniciar procedimentos de contratação para 10 novas assistentes operacionais.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar