Login  Recuperar
Password
  21 de Novembro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas da Rainha, Caldas / Política
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Assunção Cristas fez campanha na Praça da Fruta

No último dia de campanha a líder do CDS, Assunção Cristas, cancelou várias atividades devido à morte do fundador do partido, Freitas do Amaral, mas não deixou de fazer uma arruada nas Caldas da Rainha. Depois de ter enfrentado a fúria de uma eleitora, no centro do Porto, por causa dos cortes nas pensões feitos pelo governo PSD/CDS na legislatura de 2011/2015, Assunção Cristas quis terminar a campanha numa ação de rua, tendo escolhido uma cidade no distrito onde em 2015 foi eleita deputada.

09-10-2019 | Francisco Gomes

A líder do CDS no último de campanha veio às Caldas da Rainha
[+] Fotos
A líder do CDS no último de campanha veio às Caldas da Rainha
Nas Caldas da Rainha, falou com vendedores e clientes da Praça da Fruta, e depois de ouvir as queixas dos comerciantes sobre as vendas fracas, insistiu na tónica que é preciso alivar os impostos que recaem sobre os portugueses, apelando aos eleitores para lhe darem o voto, de forma a mudar o cenário.
No final da arruada, a líder do CDS falou dos pontos positivos e negativos da campanha, destacando “o bom acolhimento” de quem contatou nas ruas, exceptuando o caso que aconteceu no Porto, que apontou ter sido “uma agressão física que não é aceitável em democracia”.
Assunção Cristas aproveitou para fazer a distinção do eleitorado. “Quem acha que não estamos bem entregues à esquerda tem no CDS o voto mais seguro e confiável na mudança de políticas e que não vai parar às mãos do PS”.
A líder do partido não se debruçou sobre a possível redução de deputados eleitos pelo CDS, como apontavam as várias sondagens e também não respondeu se se demitia se os resultados das eleições fossem um fracasso. Viria a fazê-lo no final da noite eleitoral, quando anunciou que não se iria recandidatar à presidência do partido.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Escolhas do Editor
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar