Login  Recuperar
Password
  31 de Março de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Escaparate

Aprazíveis pescarias na Lagoa de Óbidos

Quem conhece ou esteve, pelo menos uma vez, na Lagoa de Óbidos, possui, certamente, inúmeras e excelentes recordações. As minhas são, além de distintas, muito remotas. Nesta folha arrojo-me e revivo uma que me traz à memória o meu avô Rui Mateus (1899-1956).

29-01-2020 | Rui Calisto

Segundo um antigo relato de minha mãe, este homem alto, espadaúdo, delicado nos gestos e educado na fala - que nunca levantara a voz para ninguém e jamais erguera a mão para algum dos quatro filhos, fazia com que tudo seguisse em conformidade, no ritmo de sua voz, poderosa e bem acentuada – não perdia uma oportunidade para conviver com os amigos.
De vez em quando, o domingo era passado fora de casa, em tertúlias, nas Caldas da Rainha, em Óbidos, na Nazaré, ou em outra localidade próxima. Porém, em certas ocasiões, na primavera ou no verão, o local escolhido para o convívio era o Braço da Barrosa, na Lagoa de Óbidos.
Era uma época diferente (entre os anos de 1930 e 1956), as amizades eram solidificadas com honestidade, e a palavra possuía um peso incomensurável. Porém, havia um problema.
Os meus queridos leitores que viveram o período indicado devem recordar-se do perigo que eram as confraternizações em locais públicos. A Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE), protetora feroz do Estado Novo (1933-1974), acreditava que qualquer folgança popular era motivo para uma revolução contra o Governo. E, como Caldas da Rainha sempre foi uma terra de bufos, era muito delicado falar sobre política com quem não se confiava.
Rui Mateus e o seu grupo de amigos, quando optavam por uma ida à Lagoa de Óbidos faziam-no por dois motivos: Poderem falar à vontade acerca dos assuntos mais pertinentes relacionados com a política de então, e passar bons momentos, em salutar e revigorante pescaria.
O Braço da Barrosa exercia algum fascínio ao grupo de Rui Mateus. A lenda espraiava que o seu nome era derivado de uma enorme quinta ali existente, e que, a sua adjacência integrava as dádivas iniciais da Rainha D. Leonor de Lencastre (1458-1525) ao venerando Hospital Termal de Caldas da Rainha. Aquele era um local de enorme formosura e placidez, onde era possível deleitar-se com uma visão paradisíaca - praticamente uma reserva natural - repleta de fauna e flora muito diferenciadas.
Quando, naquele tempo, a rapaziada passava o dia em folgazã e festiva harmonia, a pescaria corria melhor, pois, não raro era o instante em que as linhas se retesavam, tendo na outra ponta do caniço um vistoso robalo.
O final do dia - depois de muita galhofa, e muito peixe no balaio de vime de cada um (ou no enorme passaguá de Rui Mateus) - era passado a admirar a desmesurada e matizada irmandade de aves, das mais variadas espécies: Maçaricos-reais, ostraceiros, garças-reais, garajaus, patos-reais, garças-brancas-pequenas, flamingos, gaivinhas-de-bico-preto e garças boieiras, tudo numa consonância difícil de reconhecer atualmente, porque a abundância de espécies já não é o que era.
Aquelas pescarias, aprazíveis e descontraídas aproximaram pessoas, uniram famílias, emolduraram uma época. A Lagoa de Óbidos - a última das três imensas lagoas num raio de cinquenta quilómetros, reconhecidas desde o período neolítico (2000 -2500 a. C) - ficou na minha alma através do amor do meu avô por ela. O sentimento dele por aquele local era idêntico ao de Ramalho Ortigão (1836-1915), levado à estampa no volume I das Farpas: “à Lagoa de Óbidos não falta senão uma cintura de jardins, e de habitações de luxo, para ser tão bela como alguns lagos célebres do norte de Itália”.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar