Login  Recuperar
Password
  31 de Maio de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Opinião
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

“Anarquia” na cidade

Para além da “anarquia” que grassa nas Caldas em termos de estacionamento (segundas filas, dois lados de ruas de dois sentidos de trânsito - impedindo o cruzamento de dois veículos, dificultando a passagem de veículos prioritários, em cima dos passeios…) bem visível enfim, e do conhecimento geral, pior ainda é ver a polícia ignorar completamente estas situações e estes factos (por exemplo, é normal ver a polícia passar por carros estacionados em segunda fila, desviar-se e continuar, isto mesmo no centro da cidade e ou em locais de acesso ao hospital).

26-02-2020 | José Costa

Estas situações sistemáticas prejudicam a mobilidade e levam a uma “anarquia” pedestre, também agravada pelas condições dos passeios da cidade. Quando me refiro as condições dos passeios nas Caldas, não me refiro ao seu estado nem a situação de obras que a cidade atualmente atravessa (que embora em situação temporária também contribui). Refiro-me sim ao facto de a maioria dos passeios das ruas fora do centro da cidade não serem já passeios mas sim locais onde os animais de estimação fazem as suas necessidades. Tal obriga nessas ruas os pedestres a circular na via, pois é impossível fazê-lo nos passeios. A cidade (como a grande maioria em Portugal), que já de si não está adaptada convenientemente para facilitar a mobilidade aos cidadãos portadores de deficiência, ainda a dificulta perante o exposto.

Devido ao facto de não haver a preocupação de aplicar a lei em vigor, é evidente que mais de 90% dos habitantes da cidade não se dá ao trabalho de recolher as fezes dos animais de estimação. Mais ridículo ainda é que a Câmara Municipal (ou as freguesias) deu-se (ou deram-se) ao trabalho e dispêndio de colocar WCs para os animais em pontos estratégicos que mantêm regularmente, mas que se alguém por eles passar constata que se encontram mais limpos que as ruas circundantes que lhe dão acesso.

Fica aqui o meu alerta a quem de direito que comece a olhar para estas situações e que faça um esforço para as minimizar sem ter em mente as eleições autárquicas que se avizinham. Que eu saiba por enquanto nem os animais nem os automóveis votam e um pouco mais de civismo e educação não ficava nada mal aos habitantes desta nossa cidade.
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar