Login  Recuperar
Password
  20 de Outubro de 2019
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Ocorrências
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Agressão à porta de bar envolveu polícia e cliente

Os familiares de um homem que se queixa de ter sido agredido com grande violência à porta de um bar na Nazaré acusam agentes policiais de terem abusado da força. O homem acabou por ser detido porque, segundo a PSP, agrediu um dos polícias, deixando-o gravemente ferido.

14-08-2019 | Francisco Gomes

A família de João Leonel acusa polícias de abuso de força. A PSP diz que um agente policial foi agredido de forma inesperada e ficou ferido com gravidade
A família de João Leonel acusa polícias de abuso de força. A PSP diz que um agente policial foi agredido de forma inesperada e ficou ferido com gravidade
O caso verificou-se na madrugada da passada quinta-feira, junto a um bar no centro da vila da Nazaré. “Eram cerca das cinco e meia e estávamos a sair do bar. Lá fora o segurança fez-me um “mata-leão” (golpe de imobilização do pescoço realizado pelas costas), enquanto que os agentes desfardados começaram-me a dar pancadas de cassetete e pontapés por todo o corpo”, contou Rúben Ascenso, de 21 anos, que disse ter ficado com “a cabeça cheia de hematomas e o corpo com nódoas negras”.
O primo, João Leonel, de 28 anos, “foi mais agredido do que eu e ficou desfalecido no chão”.
“Eram três ou quatro pessoas em cima dele e vejo o João a apanhar bem forte. Nenhum deles estava fardado e quando chegaram ao posto fardaram-se e tiraram a identificação da farda”, referiu Vera Meco, prima dos dois nazarenos agredidos. “O João não estava armado nem com os copos. Foi desumano. Um massacre”, sublinhou. “Se errámos em alguma coisa só tinham de falar connosco, não era preciso nada disto”, acrescentou Rúben.
Vera Meco contou que João “relatou que a caminho da esquadra foi constantemente agredido e nós ainda conseguimos tirar fotos do resultado da agressão para servir de prova”.
João foi levado para os hospitais de Alcobaça e de Leiria e ficou com as “costelas fraturadas, dentes partidos, hematomas na cara inteira e um golpe na tíbia”, descreveu um irmão do nazareno. Depois de assistido o homem foi detido porque agrediu um agente policial, revelou a PSP.
De acordo com o gabinete de relações públicas da PSP, o agente sofreu ferimentos graves na face e terá de ser operado aos olhos.
“O agente na sua hora de folga encontrava-se no estabelecimento de diversão noturna e quando se preparava para abandonar o espaço, foi agredido de forma inesperada por um cliente do estabelecimento, o qual momentos antes interagia grosseiramente com atitudes provocatórias com os clientes daquele espaço noturno”, descreveu a PSP, adiantando que apesar de estar à civil, o polícia “foi reconhecido como agente de autoridade”.
“O agressor desferiu vários socos no agente, provocando-lhe ferimentos graves na face e num olho. O agente agredido deu voz de detenção ao agressor, que é praticante de desportos de combate, o qual foi manietado devido à resistência física à detenção”, explicou.
Depois de pernoitar na esquadra da PSP das Caldas da Rainha, João foi presente na sexta-feira ao tribunal da Nazaré, onde foi interrogado. Saiu em liberdade com termo de identidade e residência.

Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar