Login  Recuperar
Password
  Sexta, 31 de Outubro de 2014
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Sociedade, Caldas da Rainha, Regional, Ocorrências
Gravar em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Sentença Adiada

O tribunal de Caldas da Rainha adiou na passada semana a leitura do acórdão, por ter mudado a moldura penal a aplicar uma vez que as funcionárias estavam acusadas de abuso de confiança e peculato, por o Caldas Sport Clube ser uma entidade de utilidade público, mas na altura dos factos não o seria, o tribunal decidiu acusar apenas as mulheres dos crimes de abuso de confiança.

25-07-2012 | Carlos Barroso

As mulheres que sempre clamaram inocência terão desviado verbas numa caixa que abriram propositadamente para esse furto. O posto de abastecimento era, explorado pelo Caldas Sport Clube, que reclama prejuízos de 66.386 euros e passou, a ser explorado pela PetroCaldas - Comércio de Combustível, que cifra os prejuízos em 33.332 euros.

De acordo com a acusação as seis funcionárias, “aproveitando-se da existência de dois postos de pagamento (denominados consolas), começaram a registar parte das vendas realizadas a dinheiro na consola secundária, conhecida como consola “filha”, a qual se destinava a ser utilizada apenas em caso de grande afluência de clientes”, lê-se no documento.

Segundo o MP, “as arguidas fechavam a consola, retiravam o dinheiro recebido e voltavam a abri-la, destruindo o relatório de operador desse período, como se ela não tivesse estado em funcionamento e as vendas nelas registadas não tivessem existido”.

O MP estima que a operação decorria “uma ou várias vezes durante cada turno diário”, dependendo do “número de vendas a dinheiro e das suas necessidades financeiras”.

As arguidas terão alegadamente retirado, individualmente, quantias entre os 30 mil euros e os dois mil euros, perfazendo um total de quase 100 mil euros.

COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar