Login  Recuperar
Password
  11 de Agosto de 2020
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas / Cultura, Caldas da Rainha
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Peças de Leonel Cardoso em destaque no Museu da Cerâmica

A cerâmica de Leonel Cardoso está em destaque no Museu da Cerâmica, nas Caldas da Rainha, entre 27 de março e 12 de maio.

05-04-2013 | Francisco Gomes

Polícia sinaleiro, magala e marujo
[+] Fotos
Polícia sinaleiro, magala e marujo
No conjunto da obra de Leonel Cardoso, o seu poder imaginativo revela-se sobretudo através de numerosas figuras de cerâmica que criou e que refletem a influência do meio em que nasceu. Os seus bonecos, caraterizados por uma tipologia folclórica, são modelados num espírito mordaz, cujos traços realçam as particularidades mais relevantes das diversas camadas da sociedade observadas sem indulgência. Grande parte destas peças foi reproduzida pelas Faianças Artísticas Bordalo Pinheiro e pela Fábrica Belo, nas Caldas da Rainha.
O virtuosismo da sua modelação cerâmica dilatou-se ainda aos temas sacros, ao retrato, ao baixo-relevo e à colaboração com a produção de outras fábricas de relevo, como a Sociedade de Porcelanas (Coimbra), a Vista Alegre, Sacavém e Cartuja (Sevilha).
Leonel de Parma Cardoso nasceu em 9 de setembro de 1898, nas Caldas da Rainha. Licenciado em Ciências Económicas e Financeiras, desenvolveu a sua vida profissional como quadro superior das Alfândegas. A atividade artística desenvolveu-a em duas vertentes principais: as letras, com publicação de poesia e prosa; as artes plásticas, expressando-se através de variadíssimas técnicas: aguarela, guache, óleo, escultura, medalhística e cerâmica.
O seu primeiro contacto com o público data de setembro de 1917, numa exposição de caricaturas, na terra natal, a que se seguiram muitas outras, individuais e coletivas, tendo participado em diversos salões de humoristas e da Sociedade Nacional de Belas-Artes.
O humorismo é uma constante na obra de Leonel Cardoso, que fez parte do Grupo dos Humoristas Portugueses. Cultivou sobretudo a caricatura, género que deu início à sua atividade artística, contava 18 anos, e à qual dedicou os últimos anos de vida.
Em 1939, editou-se uma coleção de bilhetes-postais de trajes portugueses com motivos da sua autoria, tipo postal inglês, muito divulgado na época, e que alcançou grande sucesso, através de uma tiragem que atingiu os 82.000 exemplares.
A atividade literária de Leonel Cardoso não se confinou a estes domínios, tendo publicado, em 1936, a sua primeira obra de prosa, «Ferro Velho», que comparou a uma «manta de retalhos», título que aplicou num dos seus opúsculos de poesia, editado em 1960, seguindo-se, nesta forma de expressão, «Farrapos d'Alma», em 1976.
Como autor teatral escreveu, em colaboração com Augusto de Carvalho, uma revista de costumes locais, «De Luva Branca» (1937), para a qual pintou os cenários e desempenhou o papel de um dos «compères».
Em 1972, começou a dedicar-se à medalhística, tendo modelado cerca de 40 peças, salientando-se as medalhas Inauguração da Sala dos Computadores da Escola Militar de Eletromecânica (Paço de Arcos, 1972) e Homenagem a João Núncio – Cinquenta Anos de Toureiro (1973).
Foi agraciado com o grau de Oficial da Ordem Militar de Santiago da Espada, por sua Excelência o Presidente da República, em 6 de junho de 1973. Tendo mantido uma intensa atividade artística durante praticamente toda a sua vida, Leonel Cardoso veio a falecer, em Lisboa, no dia 18 de novembro de 1987.

Filha na inauguração

Matilde Couto, diretora do Museu do Cerâmica, destacou, na inauguração desta exposição, que a mostra não é abrangente da sua vasta obra, mas retrata a sociedade caricaturizada.
“É através desta cerâmica, produzida nas Caldas, em Sacavém e em várias fábricas, pela mão de um artista das Caldas, que podemos ver os nossos costumes”, referiu.
Foi lida uma mensagem de congratulação pela exposição de Artur Corte Real, diretor de serviços de Bens Culturais da Direção Regional de Cultura do Centro.
Zita Sottomayor , filha de Leonel Cardoso, disponibilizou algumas obras do vasto espólio que guarda para esta exposição, complementando as peças disponíveis no Museu. A familiar do artista esteve presente na inauguração e mostrou-se satisfeita com o evento.

Francisco Gomes
Tags: Caldas, Rainha
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
pub
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar