Login  Recuperar
Password
  Quinta, 18 de Setembro de 2014
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Caldas da Rainha, Ocorrências
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

Julgamento em Peniche

01-10-2008 |

Julgamento em Peniche
Julgamento em Peniche
Tentativa de homicídio ou de suicídio? Um pescador que está a ser julgado no Tribunal de Peniche por alegadamente ter tentado matar a esposa ao fazer projectar o carro onde ambos estariam por uma falésia com mais de vinte metros, próximo do Cabo Carvoeiro, reclama inocência e quer provar que não houve tentativa de homicídio. A defesa do arguido considera que não está provado o crime, sustentando que os depoimentos dos peritos suportam a tese de que a mulher não se encontrava no interior da viatura quando esta foi projectada. O caso passou-se a 12 de Junho de 2003, quando o arguido, Francisco Santos, na altura com 42 anos, e a mulher, Flávia de Jesus, de 37 anos, residentes em Peniche, tinham parado o veículo num miradouro na marginal norte da cidade e após uma discussão no interior o homem terá levado o carro a despenhar-se pelo precipício. O casal, que tem três filhos, foi transportado ao Hospital das Caldas da Rainha e depois para o Hospital de Santa Maria com ferimentos graves. O que está por esclarecer são as circunstâncias da queda do veículo. A versão transmitida por populares às autoridades relata que o casal foi visto a discutir. De acordo com a acusação do Ministério Público (MP), o homem, que seguia ao volante, levou o veículo a despenhar-se e, com o embate nas rochas, os dois foram projectados, sofrendo lesões traumáticas. O MP sustenta que o arguido pretendia pôr fim à vida dos dois, o que só não aconteceu devido a factos estranhos à sua vontade. Contudo, na altura do acidente foi levantada a suposição de que o condutor ter-se-á tentado suicidar, levando de facto o carro a despenhar-se pelo precipício, mas a mulher não estaria ao seu lado, ou por ter conseguido sair antes da queda ou por já estar fora do carro quando o homem avançou pela falésia. Esta tese – baseada no facto de estar uma mala e sapatos de senhora abandonados no topo da falésia - adianta que a mulher, na tentativa de socorrer o marido, teria recorrido a uma pequena escada de acesso às rochas, mas terá caído. Uma testemunha relatou que ambos foram encontrados fora do carro, que embateu nas rochas junto ao mar e ficou completamente destruído. O homem estaria deitado no chão e a mulher estaria em pé, os dois conscientes mas sem força, tendo sido imobilizados em macas de uma equipa de espeleo-socorro dos bombeiros, que os retiraram do fundo da falésia. Na penúltima sessão do julgamento, o Tribunal de Peniche alterou a qualificação jurídica da acusação, após análise dos depoimentos, provas e exames periciais, considerando que "existe a possibilidade do arguido vir a ser condenado não por homicídio qualificado na forma tentada, como consta da acusação, mas por homicídio simples tentado". Nova sessão do julgamento ficou marcada para 8 de Outubro, na qual serão ouvidos os novos argumentos da defesa. Francisco Gomes
Tags:
COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar