Login  Recuperar
Password
  Sábado, 20 de Dezembro de 2014
Estão utilizadores online Existem actualmente entidades no directório

Pode fazer o registo (grátis) do seu mail pessoal/ profissional e ter acesso privado, password e serviços personalizados, nos sites e redes sociais dos jornais. Terá uma assinatura digital de Grupo (gratuita), mas personalizada. Pretende registar-se?

Registar-se com o seu email pessoal/ profissional

(aguarde 5)
Siga a nossa página Facebook Siga a nossa página Google Plus Siga-nos no YouTube Siga-nos no Twitter Dispositivos móveis Assine a edição impressa
Escolhas do Editor, Global, Ocorrências
Imprimir em PDF    Imprimir    Enviar por email   Diminuir fonte   Aumentar fonte

São Martinho do Porto

Cinco pescadores nadam 300 metros para salvarem-se de naufrágio

Cinco pescadores que andavam na apanha submarina de algas ao largo de São Martinho do Porto apanharam na passada segunda-feira um valente susto quando o barco que os transportava foi surpreendido por uma onda que fez a embarcação encher-se de água. Os tripulantes, que tiveram de nadar cerca de trezentos metros até terra, conseguiram salvar-se sem ferimentos.

09-08-2012 | Francisco Gomes

José Pedro, João Paulo, Tito Carvalho, José António e Luís Pérsio
[+] Fotos
José Pedro, João Paulo, Tito Carvalho, José António e Luís Pérsio
“A onda veio por detrás e apanhou-os desprevenidos, levando o barco a arrear. A água começou a entrar e a encher em poucos segundos”, relatou Luís Marques, proprietário há cerca de dez anos do “Mar-Alto”, com sete metros de comprimento, registada na delegação marítima de São Martinho do Porto.
Era cerca do meio-dia e meia, já com a manhã de trabalho quase cumprida para o regresso a terra, na altura em que se encontravam a sul de São Martinho do Porto, próximo do pesqueiro designado por “Almeirão”, em Salir do Porto, pertencente às Caldas da Rainha.
“Apesar do susto ninguém entrou em pânico e como todos sabemos nadar bem safámo-nos até terra, ultrapassando as dificuldades”, contou o mestre João Paulo, de 47 anos, de Alfeizerão, que foi o único que acabou por ser assistido no quartel dos bombeiros voluntários de São Martinho, por apresentar níveis de glicemia baixos.
Os restantes tripulantes – José Pedro, de 54 anos, e José António, de 60 anos, de Ferrel (Peniche), Tito Carvalho, de 35 anos, de Caldas da Rainha, e Luís Pérsio, de 26 anos, de São Martinho do Porto – não careceram de qualquer assistência.
O barco foi rebocado até ao cais de São Martinho do Porto pela Polícia Marítima, com ajuda de mergulhadores dos bombeiros de São Martinho do Porto e uma mota de água dos bombeiros das Caldas da Rainha.
As operações para retirar o barco para terra demoraram mais de duas horas. A água que estava dentro do barco foi extraída e depois a embarcação içada por um guindaste.

Perderam telemóveis e carteiras

Os tripulantes não tiveram tempo de ativar o pedido de socorro e também perderam os telemóveis, para além das carteiras. O alerta para o naufrágio só chegou à capitania do porto da Nazaré quase duas horas depois, após outra embarcação que passou no local ter comunicado o sucedido.
A Polícia Marítima vai abrir um inquérito para apurar as causas do acidente, que o comandante da capitania da Nazaré, Albuquerque e Silva, admite que possa ter sido provocado por excesso de algas a bordo, que terá levado a embarcação a ficar mais vulnerável à ondulação.
Na altura do acidente o “Mar-Alto” já tinha apanhado cerca de quatro toneladas de algas. Embarcações que navegaram no local recuperaram perto de três toneladas. O produto é vendido a uma fábrica do Barreiro. A apanha é uma prática tradicional em São Martinho do Porto, entre julho e dezembro.

Francisco Gomes

Vídeo

COMENTÁRIOS
Deverá efectuar Login ou fazer o Registo (Grátis) para poder comentar esta notícia.
Ciência & Tecnologia

A carregar, por favor aguarde.
A Carregar

    Notícias Institucionais

    A carregar, por favor aguarde.
    A Carregar